sábado, 24 de dezembro de 2011

1958- Gigi (Gigi)


GIGI (1958)
Gigi

Ficha Técnica
País: Estados Unidos
Gênero: Comédia, Musical
Direção: Vincente Minnelli
Roteiro: Alan Jay Lerner
Produção: Arthur Freed
Design Produção: Cecil Beaton
Música Original: Frederick Loewe
Fotografia: Joseph Ruttenberg
Edição: Adrienne Fazan
Direção de Arte: William A. Horning, Preston Ames
Figurino: Cecil Beaton
Maquiagem: William Tuttle, Charles E. Parker
Efeitos Sonoros: Wesley C. Miller
Orçamento 3 milhões e 300 mil dólares.


ELENCO:

Leslie Caron .... Gigi
Maurice Chevalier .... Honore Lachaille
Louis Jourdan .... Gaston Lachaille
Hermione Gingold .... Madame Alvarez
Eva Gabor .... Liane d'Exelmans
Jacques Bergerac .... Sandomir
Isabel Jeans .... tia Alicia
John Abbott .... Manuel
Betty Wand .... Gigi (voz nas canções)


Principais prêmios e indicações

Oscar 1959 (EUA)

Venceu nas categorias de melhor filme, melhor diretor, melhor direção de arte, melhor fotografia - colorida, melhor figurino, melhor edição, melhor canção original (Gigi), melhor trilha sonora e melhor roteiro adaptado.

BAFTA 1960 (Reino Unido)
Indicado na categoria de melhor filme.

Globo de Ouro 1959 (EUA)

Venceu nas categorias de Melhor Filme - Musical ou Comédia
Indicado nas categorias de Melhor Diretor - Motion Picture (Vincente Minnelli), Melhor Atriz Coadjuvante - Filme (Hermione Gingold), Melhor Atriz - Filme Musical ou Comédia (Leslie Caron),

Melhor Ator - Musical ou Comédia (Maurice Chevalier), Melhor Ator - Musical ou Comédia (Louis Jourdan, candidato)

Grammy 1959 (EUA)
Venceu na categoria de melhor álbum de trilha sonora.

Prêmio David di Donatello 1959 (Itália)
Venceu na categoria de melhor filme estrangeiro.




Gigi é um filme estadunidense de 1958, dos gêneros comédia romântica e musical, dirigido por Vincente Minnelli e com roteiro e letras de Alan Jay Lerner e música de Frederick Loewe, tendo
sido baseado no romance "Gigi" feito por Sidonie Gabrielle Colette, mais conhecida por simplesmente Collete, em 1945.

Admirada por escritores tão diversos como Jean Cocteau e Mauriac François, Colette foi sem dúvida uma das melhores escritoras francesas femininas do século 20. Seus temas principais
foram as alegrias e as dores do amor e da sexualidade feminina no mundo dominado pelos homens. Todos os seus trabalhos são provocantes (às vezes escandalosos) porque foram escritos com uma extraordinária visão, sensibilidade e sensualidade.


Colette, pintada em 1896 por Jacques Humbert

A jornada de Gigi para a fase musical empreendeu uma trajetória que foi desde o aparecimento do romance em 1945, transformado em um modesto filme francês em 1948 por Jacqueline Audry, e dez anos mais tarde, trazido para a tela como um ganhador de Oscar, com nada menos que nove prêmios da Academia, incluindo o de Melhor Filme.

Mas, antes disso, em 1951, Anita Loos adaptou o romance para o palco numa produção da Broadway. Quando Audrey Hepburn viajou para a França para a gravação de Montercarlo Baby,
foi vista no saguão do hotel em que estava hospedada com o elenco da escritora Collette, que até aquele momento, trabalhando na montagem para a Broadway da peça Gigi, não tinha ainda escolhido a intérprete para o papel-título. Encantada com Audrey, decidiu que ela seria a sua Gigi. Audrey Hepburn estrelou em seu primeiro papel principal na Broadway.



As críticas para Gigi não foram de todo favoráveis, mas era opinião geral que aquela desconhecida que interpretava o papel principal era destinada ao sucesso.
Sete anos mais tarde, enquanto "My Fair Lady" estava em Filadélfia antes de sua abertura em New York, Arthur Freed se aproximou de Alan Jay Lerner para tratar sobre a adaptação de um filme musical . Embora Lerner e Loewe jurassem nunca mais trabalhar em filmes, eles estavam encantados com o tema da história e concordaram em colaborar no projeto cinematográfico.

O produtor Arthur Freed se interessou em filmar Gigi desde 1953, após Anita Loos manifestar interesse em levar sua peça teatral para o cinema como musical. Freed pagou então US$ 125 mil ao viúvo de Colette (esta morreu em 1954) e US$ 87 mil a Loos, para ter os direitos de adaptação da história. O filme de 1958 de Gigi provou ser um grande sucesso comercial com as melhores críticas do meio artístico.

Mas, o musical não ficou por aí. Edwin Lester, fundador do "Los Angeles Civic Light Opera" , pediu uma versão teatral do filme Gigi , e Lerner e Loewe, então, escreveu o musical para o palco. Preservando totalmente a composição musical de origem e acrescentando mais cinco novas canções, Gigi tounou-se o primeiro musical de Hollywood a ser feito nos palcos da Broadway.

O musical estreou na Broadway em 13 de novembro de 1973 no Teatro Uris, onde funcionou por 103 performances e sete 'previews'. Dirigido por Joseph Hardy e coreografado por Onna White, o elenco incluía Karin Wolfe como Gigi, Daniel Massey como Gaston, Maria Karnilova como Mamita, Agnes Moorehead como a tia Alicia, e Alfred Drake como Honoré. Arlene Francis substituiu Agnes Moorehead (morreu de câncer em 30 de abril de 1974).



Uma gravação do elenco original foi lançado pela RCA Victor .

A produção em West End abriu em 17 de setembro de 1985, no "Lyric Theatre", onde funcionou durante sete meses. O elenco incluiu Amanda Waring como Gigi e Geoffrey Burridge como Gaston, Beryl Reid como Mamita, Siân Phillips como a tia Alicia, e Jean-Pierre Aumont como Honoré. Um álbum foi lançado em Londres pelo selo First Night Records.
O musical ganhou o prêmio Tony Award de Melhor Trilha Sonora

Apesar de a MGM e outros estúdios continuarem na década seguinte no gênero musical por mais alguns anos, Gigi é o último grande musical da época dourada de Hollywood. É também um dos poucos títulos constantemente mencionados quando os críticos de cinema disputam qual deve ser considerado o melhor musical criado por Hollywood, um filme que rivaliza com os gostos de "Singin' in the Rain" (Cantando na Chuva) e Meet Me in St. Louis ( Agora Seremos Felizes).
Houve uma onda de palco para a tela, adaptações de musicais de sucesso em meados dos anos 50, traduzindo o trabalho dos dois mais comemorados duos teatrais Rodgers e Hammerstein e Lerner e Loewe para uma nova audiência, desta vez nos cinemas.

No entanto, a produção Arthur Freed se move para o outro lado, com Alan Jay Lerner e
Frederick Loewe contratados pela MGM para criar um musical diretamente para o cinema, um sinal talvez de que a Broadway estava começando a tornar o seu rival mais sério.

"Gigi" é um filme delicioso cheio de humor irônico, romance, música sofisticada e insight psicológico surpreendente, servido pelo maior mestre de Hollywood da comédia adulta musical,
Vincente Minnelli. Provavelmente não é um gênero que vai ser bom para todos os gostos, ou somente o é para cada indivíduo em cada ponto em sua vida. Mas ele representa o ápice do
musical de Hollywood dos anos 50 e uma homenagem à encantadora Paris na virada da década 90 para o século XX.




A prodigalidade de uma produção Freed Arthur garantiu que seus musicais fossem muito mais que um olhar de imagem ao som. Gigi representa uma colaboração entre o trabalho surpreendente do cineasta Joseph Ruttenberg, o desenhista Cecil Beaton e o diretor Vincente Minnelli que se detiveram em reproduzir a qualidade da pintura fin-de-siècle, especialmente a de Auguste Renoir.

O uso deliberado de fundos fora de foco na cena de abertura é uma das melhores recriações do estilo impressionista na tela. Minnelli (ele próprio é um pintor) tem uma ótima dirigibilidade de
perspectiva. Tome a cena em que Leslie Caron e Louis Jourdan estão descascando vagens. Há uma cadeira em primeiro plano no lado esquerdo, enquanto no lado direito há uma porta aberta para a cozinha. Este contraste entre a proximidade de um lado e de distância em outro não só acrescenta verdadeira definição para o espaço, como permite que o olho facilmente extraia de uma extremidade da moldura para a outra, mantendo Hermione Gingold em destaque, mesmo ela estando em segundo plano, sem ter que recorrer a muitos cortes intrusivos. Este é apenas um exemplo, mas é um truque que Minnelli usa em muitas cenas.



Antes de tudo, Minnelli é pautado pelo bom gosto, seja na escolha do elenco, no equilíbrio das cores, na composição dos quadros, na construção dos cenários. O aprendizado do bom gosto para ele foi fruto de uma inusitada combinação de referências heterogêneas. A educação estética de Minnelli passou tanto pelo estudo dos clássicos e pela admiração dos quadros dos maiores coloristas da história da pintura quanto pela experiência profissional em espetáculos da Broadway, números de music-hall e outras modalidades de diversão popular. Ele soube unir comércio e arte, e nutrir o mundo do espetáculo de fontes eruditas misturadas com as decorações de vitrines.

E é assim, que ele nos mostra a cena de abertura, que é algo de mais fantástico e encantador já colocado em tela. O filme começa nas ruas de Paris com os casais em passeio por carruagens puxadas a cavalo, em um período que teve o seu próprio estilo visual, o início de 1900, onde Honoré Lachaille (Maurice Chevalier), de pé no encantador parque de "Bois de Boulogne", anuncia-se como um amante e colecionador de coisas bonitas. Ele canta ""Thank Heaven for Little Girls (Graças aos céus para as meninas), com todo o sorriso cativante e encanto duradouro que o manteve como uma super estrela internacional durante quatro décadas. A cena de Paris em 1900 transporta o espectador para a fascinante 'belle époque'.




Ele observa as meninas brincando nos jardins e exalta o amor, colocando ênfase que elas representam o futuro, umas vão casar-se e outras não, mas provavelmente dedicadas ao amor. O clima transbordante de alegria e fantasia contagia logo no começo, mostrando o personagem Honoré com um apetite voraz pela vida, que é contrastada com o mundo entendiado de suave
aristocracia em que vive seu sobrinho Gaston (Louis Jourdan), que, na canção "It's a Bore" expressa a sua total indiferença para absolutamente tudo. Nada o motiva o suficiente para gostar
da vida, a não ser uns poucos momentos com Gigi. Ainda, sob a canção Honoré nos apresenta Gigi e o que será do seu futuro, sabendo que a menina está sendo educada por uma de suas ex-amantes das mais refinadas.

Logo depois, os espectadores são levados para o mundo de Gigi, a aluna parisiense adorável, treinada para seguir a tradição da família. Gigi é uma coquette em potencial que rouba o coração de todos, já aprendendo como testar a qualidade de um bom charuto para o seu homem, e aprende o requinte e graças que a mulher exaltada pela sua família deve conhecer para obter sucesso social, juntamente com algumas das recomendações básicas da tia Alicia. Assim, Gigi vai obtendo progresso de uma gamine parisiense da belle époque, ou seja, uma mulher que, por trás da aparência infantil, frágil, carente, que inspira proteção, oculta a malícia e a sensualidade.




À primeira vista, pode-se considerar o enredo de Gigi "politicamente incorreto", por ela ser treinada pela família a ser uma cortesã. Uma vez que o filme se passa em 1900, e o movimento
sufragista feminino estava em sua infância, levando em conta o clima político republicano da França, a classe de mulheres como Gigi foi cultivada para ser diferente, não cortesãs como tal
quase sinônimo de prostituta, mas como consortes dos homens políticos em altos cargos, da elite dominante e dos intelectuais. Não há como encobrir a dura realidade da época (principalmente para mulheres jovens e atraentes, muitas vezes condenadas a uma vida de servidão a uma série de homens ricos), mas a história de Gigi e Gaston transforma-se na crença que uma ou duas pessoas podem tê-la superado. Essa é a coisa mais sedutora sobre este filme.

Tia Alicia diz tanto quando ela explica que Gigi, e outras como ela, "não se casam ao primeiro tempo, mas se casam no último", mantendo-a proibida de aceitar convites de seus amigos na
escola, pois ela precisa manter a sua exclusividade e separação. Alicia enfatiza uma e outra vez, de que não é o tamanho da pedra que a torna preciosa, mas é a qualidade. Esta não é a ideologia que a burguesia seria capaz de esperar, porque Alicia está cultivando a sua sobrinha para se tornar uma consorte de um rei ou um xá ou um imperador. Essas mulheres tinham um poder incrível politicamente e influenciaram as artes, a literatura da época, quase que eram as donas do poder.




A verdadeira perspectiva feminista do trabalho de Colette foi inovadora para a época, podendo se destacar três observações importantes: 1) a história é um comentário e observação das opções sociais e econômicas limitadas para as mulheres fora do casamento, durante a virada de século em Paris, 2) apesar de Gigi nunca aceitar totalmente os ensinamentos de suas aulas, foi capaz de capturar Gaston pelo coração, precisamente por causa de sua imperfeição, e 3) o mais importante, é Gaston, em vez de Gigi, que é forçado a realmente transformar-se e desafiar as convenções sociais da época para trazer a história à sua resolução. Compare isso com My Fair Lady, que oferece comentários sociais semelhantes, mas resolve-se de uma forma mais padrão: 1) Eliza Dolittle só se torna perceptível e adorável depois de transformar sua aparência externa e padrões de fala 2) embora o Professor Higgins finalmente percebesse o seu amor por Eliza, no final, é Eliza que é forçada a submeter-se a sua vontade e de efetuar uma reconciliação, que nada faz para resolver qualquer das questões levantadas nas cenas que antecederam a esse ponto.





Outra cena linda é quando Gaston anda pelas ruas de Paris, indignado pela recusa da tia de Gigi não permitir um passeio com a menina por causa de sua fama de mulherengo na vida social. Neste vaguear de Gaston por diversos pontos enquanto canta "Gigi" foi usada uma câmera mágica para fazer as estátuas e outras referências da cidade, que estão há milhas de distância,
parecerem adjacentes umas às outras. Esta técnica, chamada "geografia criativa", foi criada e nomeada pelo cineasta francês Jean Cocteau. Aliás, o momento do seu insight que ele está
furioso porque ama Gigi é vibrante e quando ele sai cantando, quem assiste o filme sai cantando com ele. É lindo!

Auguste Renoir é lembrado sempre pelas fotografias. As cenas passadas no Maxim's sempre nos vem à lembrança o famoso quadro "Le Moulin de la Galette", sua obra mais famosa. Aliás, o
recurso da estatização da imagem e sua sequência em câmera lenta para siginificar o foco de atenção ao casal que entra e as fofocas que invadem o salão foi muito bem bolado. Além de
lindo, transmite o humor necessário. Eva Garbor está linda e com muito charme nestas cenas.



Ainda nesta passagem, para mostrar o cansaço de Gaston num mundo artificial ao qual está
entendiado, ele canta 'em pensamento', ou seja ouve-se a canção "She Is Not Thinking of Me", mas ele não está cantando e sim pensando e sentindo. Genial!! Como previsto, o romance entre Gaston e Liane vem a um fim abrupto quando Liane se apaixona por cada homem, exceto Gaston, e em um pique de ciúmes e rejeição, ele derrama uma garrafa de champanhe no seu vestido, motivo de mil zum-zuns no salão.


O restaurante Maxim's de Paris

A filmagem no Maxim's apresentou uma dificuldade que foi resolvida por Joseph Ruttenberg. De acordo com Vincente Minnelli, ao fotografar o restaurante francês, as paredes espelhadas do
famoso restaurante precisariam ser cobertas, porque refletiam o equipamento, mas Minnelli sustentou que tinham de ser vistas (e descobertas) porque eram a marca registrada do Maxim's.
Foi aí que entrou a habilidade do cineasta Joseph Ruttenberg resolvendo a questão de forma satisfatória, colocando ventosas nas luzes que inundavam as fotos.

Enfim, vários lances cinematográficos nos chama a atenção. E talvez seja por aí que torna o filme encantador. Os conjuntos de Arte Nouveau são de tirar o fôlego e os figurinos de fin de siècle foram todos desenhados por Cecil Beaton e são ainda mais lindos dos que ele fez para a versão cinematográfica de "My Fair Lady", alguns anos depois.





Este filme tem o propósito de ser fiel à história enquanto mostra um retrato completamente verídico da vida no início do século 20 em Paris, dentro de uma história encantadora e romântica, que é tão linda agora como era na década de 1950, ou mesmo, na virada do século. Ele realmente merecia o Oscar de Melhor Filme.

Embora vários dos filmes de Vincent Minelli possam ser tomados em consideração por ser o seu melhor, particularmente "An American In Paris", "Meet Me In St. Louis", "Some Came Running" e "The Bandwagon", um caso sólido pode ser feito dizendo que "Gigi" está na classe dos melhores.

Os três atores, Leslie Caron, Louis Jourdan e Maurice Chevalier, juntamente com os locais de Paris, ajudam a manter um sabor distintamente francês, especialmente na forma como os personagens se relacionam e interagem.

Gigi é uma garota que, embora pobre, vive feliz ao lado de sua avó, Madame Alvarez, num pequeno apartamento em Paris. Sua tia Alice, entretanto, planeja treiná-la para que se torne uma cortesã de sucesso, como ela fora quando jovem. Gigi acha o treinamento maçante e, proibida por sua avó de andar com jovens de sua idade, ela sonha com uma vida melhor.
Ela termina encontrando o amor na pessoa de um homem mais velho e rico, chamado Gaston, mas fica aterrorizada quando ele demonstra o desejo de torná-la sua amante, embora deixe
claro que a ame. Mas tudo termina bem.





Neste detalhe de idade, a escolha de Leslie Caron com 27 anos (e ainda transformada em uma adolescente) e Louis Jourdan com 38 anos foi bem adequada. Louis Jourdan se comporta
como um perfeito Gaston Lachaille. Ele faz sua oferta de boa fé, antes de qualquer avanço emocional. Seu personagem é uma mistura harmoniosa de cinismo mundano e idealismo romântico e suas maneiras e comportamento, e até mesmo sua voz, estão perfeitamente adequados para o personagem. Gaston é um amante de alta sociedade que vive em Paris, um bon vivant, rico e famoso. Um solteirão muito elegante e entediado com a vida da alta sociedade. A única mulher que ele gosta é uma da antiga namorada de seu tio, Madame Alvarez, cuja neta,
Gigi, parece-lhe particularmente irreverente. Ele é cativado pelo seu entusiasmo juvenil, mesmo quando é recusado, rejeitado e repudiado.

Gaston está cortejando a bela e mimada Liane D'Exelmans (Eva Garbor) que provoca rumores através da prática que vem realizando com seu instrutor de patins por trás das costas de Gaston. Jaques Bergerac tem um papel pequeno, mas pode ser pequeno que com certeza a sua beleza chama atenção e sua pequena cena, no rinque de patins, não passa despercebida como o instrutor de patins. Gozado que Jacques Bergerac, que interpreta o instrutor de patinação Sandomir, não sabia patinar.




Leslie Caron em Gigi, com o seu rostinho quase infantil era uma bela jovem com um tipo físico diferente das restantes das estrelas de cinema, e que também fez filmes memoráveis trabalhando com Fred Astaire em "Daddy Long Legs" (1955 -Papai Pernilongo), uma comédia musical maravilhosa e ainda é lembrada no filme de Truffaut "The Man Who Understood Women" (1959) e mais recente num pequeno papel em "Chocolate" (2000) e muitos outros filmes. Ela fez mais de quarenta e tantos filmes, além de participar em várias peças teatrais e televisão.

Leslie Caron nos dá um presente como uma Gigi irreprimível. Com suas fugazes expressões faciais, ela capta de forma brilhante a transformação de uma moleca brincando no parque, na
hesitante e florescente mulher de sensualidade adulta. A voz de Leslie Caron nas canções foi dublada por Betty Wand.

A primeira opção para interpretar Gigi era a de Audrey Hepburn, que já havia assumido a personagem no teatro em 1952. Entretanto a atriz não pôde aceitar o convite por estar rodando na época "Funny Face" (Cinderela em Paris -1957). Muito provavelmente ela teria feito o papel de Gigi, que aliás foi muito cobiçado, de forma excelente. Mas a escolha da graciosa e bela atriz
francesa Leslie Caron foi mais adequada, inclusive por ela ser francesa. Aliás, Caron foi uma atriz cuja transição para o cinema americano lembra a carreira de Audrey Hepburn, com quem ela se parecia muito, em comparação ao modelo de atriz da época.




Mas a verdadeira alegria do elenco está em seu elenco de apoio, que inclui Maurice Chevalier como o tio de Gaston, Hermione Gingold que com seu sotaque inglês brilha em um filme pintado
em um cenário francês e Isabel Jeans como avó e Eva Gabor como amante de Gaston. Chevalier e Gingold desempenham seus papéis com precisão e com o direito de misturar charme e emoção no seu dueto "I Remember It Well", que é um dos destaques do filme, enquanto Isabel Jeans e Eva Gabor dão a esse filme grandes atuações cômicas que os seus pequenos papéis tornam-se tão memoráveis quanto aos grandes.

Isabel Jeans está perfeita como a tia Alicia, a cortesã de antigos ricos. Ela treina Gigi para assegurar uma linha de amantes ricos. Em um ponto, ela instrui Gigi sobre os valores relativos das pedras e joias requintadas em sua caixa de joia, marcando os méritos particulares de diamantes, rubis, safiras e esmeraldas. Gigi ouve a proeza artística de sua tia, inspirando a mesma admiração encantada para a esmeralda de corte quadrado grande que a tia recebeu de um Rei, e que ela desliza para o dedo de Gigi com a observação de que "apenas as esmeraldas mais belas contém esse milagre de azul indescritível". É admirável e cômico quando ela observa: apenas um pequeno rei é capaz de presenteá-la com uma verdadeira esmeralda.




As músicas são reflexões perfeitas dos personagens que as cantam. No Maxim's, Gaston canta consciente de seu romance em declínio com "Liane (Eva Gabor), em "She Is Not Thinking of Me". Em um café ao ar livre, Honoré canta os sentimentos relaxados e confortáveis, que chega com a velhice em "I'm Glad I'm Not Young Anymore". Em Trouville, Honoré e a
deliciosamente bizarra Madame Alvarez (Hermione Gingold) conta seu romance passado com 'I Remember It Well ". E, acima de tudo, Louis Jourdan canta 'Gigi' inundando de beleza o público do cinema com suas palavras e sentimentos.




A canção "Say a Prayer For Me Tonight" foi originalmente composta para a versão da Broadway de "My Fair Lady", lançada em 1956, mas foi excluída da versão final da peça. Alan Jay Lerner,
um dos compositores da canção, era contra a inclusão da música em Gigi, mas teve sua vontade desconsiderada pelo diretor Vincente Minnelli, pelo produtor Arthur Freed e por Frederick Loewe, o outro compositor da canção. Nesta cena, Caron canta abraçando um gato que Minelli insistiu em usar exatamente este gato, mas este tinha reações violentas sempre que estava
com Leslie Caron. Então, ele teve que ser dopado para que as cenas em que aparecia com a atriz pudessem ser rodadas.

Lerner e Loewe estavam vindo de seu enorme sucesso com "My Fair Lady" na Broadway, e estavam no auge de seus poderes quando criaram as músicas e roteiro para este filme. E embora
os vocais de Leslie Caron fossem dublados (aliás foram bem colocados), o resto do elenco usa suas vozes com altivez e com uma boa dose de estilo, especialmente o bonito ator Louis Jourdan, que canta maravilhosamente bem Gigi.




Lerner e Lowe apresentam suas canções quase como se estivessem competindo com sua obra anterior quando decidiram escrever a música para "Gigi" - mais uma vez, uma história sobre
uma menina que está sendo transformada em uma jovem mulher de charme (uma cortesã parisiense), e assim como Eliza estava sendo moldada em outra criatura pelo professor Higgins. E
isso não é a única semelhança. Todas as canções têm uma certa semelhança com "My Fair Lady" , "The Night They Invented Champagne" ou quando Gigi canta "The Parisians"- todas têm o sabor de seu trabalho anterior no som e conteúdo. E ainda assim elas funcionaram muito bem para esta história ambientada na cidade do amor.


AS CANÇÕES DO FILME:
"Thank Heaven for Little Girls
(sem créditos)
Letras Alan Jay Lerner
Música de Frederick Loewe
Interpretada por Maurice Chevalier


"It's a Bore"
(sem créditos)
Letras Alan Jay Lerner
Música de Frederick Loewe
Interpretada por Maurice Chevalier , Louis Jourdan , John Abbott


"The Parisians"
(sem créditos)
Letras Alan Jay Lerner
Música de Frederick Loewe
Interpretada por Leslie Caron (dublada por Betty Wand )


"Gossip"
(sem créditos)
Letras Alan Jay Lerner
Música de Frederick Loewe
Interpretada por Chorus

"Waltz at Maxim's (She Is Not Thinking of Me)"
(sem créditos)
Letras Alan Jay Lerner
Música de Frederick Loewe
Interpretada por Louis Jourdan


"The Night They Invented Champagne"
(sem créditos)
Letras Alan Jay Lerner
Música de Frederick Loewe
Interpretada por Leslie Caron (dublada por Betty Wand ), Hermione Gingold , Louis Jourdan


"I Remember It Well"
(sem créditos)
Letra Alan Jay Lerner
Música de Frederick Loewe
Interpretada por Maurice Chevalier e Hermione Gingold


"Gaston's Soliloquy"
(sem créditos)
Letra Alan Jay Lerner
Música de Frederick Loewe
Interpretada por Louis Jourdan


"Gigi"
(sem créditos)
Letras Alan Jay Lerner
Música de Frederick Loewe
Interpretada por Louis Jourdan


"I'm Glad I'm Not Young Anymore"
(sem créditos)
Letras Alan Jay Lerner
Música de Frederick Loewe
Interpretada por Maurice Chevalier


"Say a Prayer for Me Tonight"
(sem créditos)
Letras Alan Jay Lerner
Música de Frederick Loewe
Interpretada por Leslie Caron (dublada por Betty Wand )


"Thank Heaven for Little Girls"
(sem créditos)
(Finale)
Letras Alan Jay Lerner
Música de Frederick Loewe
Cantada por Maurice Chevalier e Chorus

Ler postagem desse blog:
http://revejaosfilmes.blogspot.com/2010/04/gigi-1958-de-vincente-minelli.html

SINOPSE:
Honoré Lachaille explica que na virada do século em Paris, o casamento não é a única opção. Seu sobrinho Gaston é um rico 'bon vivant' , muito parecido com seu tio. Mas Gaston está entediado com a vida de alta sociedade e sua série de amantes. A única coisa que ele realmente gosta é de passar o tempo com uma velha amiga de seu tio, Madame Alvarez, a quem ele chama de Mamita e, especialmente, sua neta, a Gilberte, carinhosamente chamada de "Gigi".

Tio Honoré esteve envolvido romanticamente com Mamita, embora o avanço da idade tem confundido as suas recordações do passado.
Madame Alvarez envia Gigi para sua tia Alicia para aprender a ser uma cortesã da alta sociedade na tradição de sua família. Gigi é naturalmente uma estudante pobre, e assim ela não entende
as razões por trás da sua educação e acha uma verdadeira obsessão parisiense tudo girar em torno de um amor inexplicável. Ela, no entanto, aproveita o tempo gasto com Gaston, a quem
ela trata como um irmão mais velho.

Alicia fica infeliz ao descobrir que Gaston levou Gigi e Madame Alvarez de férias, sem tê-la consultado, sua irmã mais velha e a mais empenhada em tornar Gigi uma dama de classe.
Ela insiste que a educação de Gigi deve aumentar dramaticamente se ela conseguir pegar um prêmio, como Gaston. Mamita fica chocada, mas vê as vantagens que poderia trazer a Gigi e
assim vai junto com o plano - embora nada diga a Gigi sobre suas conspirações. Gigi é infeliz em suas aulas com sua tia, mas as aceita como um mal necessário, embora ainda lhe pareça estranho as exigências da sua tia perfeccionista. À noite, ao dormir, Gigi faz uma oração, ao lado de seu gatinho, para os sonhos iluminarem sua vida e suas decisões.

Gaston lhe faz uma visita e fica chocado ao ver Gigi em um vestido sedutor branco. Ele diz que ela parece ridícula e sai, mas volta mais tarde e pede desculpas, oferecendo-se para levá-la
para jantar. Mamita recusa, dizendo a Gaston que, com sua reputação, uma jovem sendo vista em sua companhia pode ser rotulada de tal forma que possa danificar o seu futuro. Gaston fica
enfurecido de novo, e sai como uma tempestade, e vagueia pelas ruas de Paris, em uma fúria indignada, até que percebe que ele está apaixonado por Gigi.

Ele retorna a Mamita e faz um acordo de negócios para ter Gigi como sua amante, prometendo oferecer à menina tudo que se refere ao luxo e à bondade. Ele visita Gigi mais tarde, mas ela
diz que não deseja tornar-se amante de alguém, ela quer mais para si do que para ser passada entre homens, apenas desejada até quando se cansam dela e ela é passada para outro.

Gaston fica horrorizado com este retrato da vida que ele deseja dar a ela, que o deixa atordoado. Mais tarde, porém, quando Gaston retorna, Gigi diz que seria "melhor ser miserável com ele
que sem ele."Naquela noite Gigi sai de seu quarto preparada para aceitar seu destino e assumir seu papel como amante de Gaston, vestida lindamente com um vestido de festa.

Ela aparece como uma mulher, num vestido branco de festa e como não uma menina. Gaston está encantado quando ele pega Gigi até levá-la para jantar no Maxim's, um restaurante vip de
Paris. Gigi parece perfeitamente à vontade na nova situação, mas no entanto, Gaston sente-se desconfortável quando percebe a interpretação de Gigi, tendo o comportamento artificial dado
pelas aulas de etiquetas. Aí, descobre que seu amor por ela torna a idéia de amante ser um elo insuportável.



Irritado com os comentários de Honoré, Gaston deixa a festa com Gigi puxando-a
à reboque, chegando a sua casa sem nenhuma explicação. Gigi chorando implora para saber o que ela fez para ofendê-lo, mas Gaston não responde até que chega Mamita e humildemente
Gaston pede a mão de Gigi em casamento.

Ler comentário do blog: http://www.adorocinema.com/filmes/gigi/comentarios/








http://youtu.be/uG49MZ2XvUs


Paris como pano de fundo quase faz o filme ser uma fantasia.







                                                                               

Levic

Nenhum comentário:

Postar um comentário