terça-feira, 27 de dezembro de 2011

1959- Porgy and Bess



Porgy and Bess

Dirigido por Otto Preminger
Produzido por Samuel Goldwyn
Roteiro por N. Richard Nash
Baseado no livro Porgy de DuBose Heyward
Dorothy Heyward obra teatral "Porgy"
DuBose Heyward libbretto


Estrelando:
Sidney Poitier
Dorothy Dandridge
Sammy Davis, Jr.

Música de George Gershwin
Cinematografia Leon Shamroy
Edição por Daniel Mandell
Estúdio The Samuel Goldwyn Company
Distribuído por Columbia Pictures
Lançamento data 24 de junho de 1959
Tempo de execução 138 minutos
País Estados Unidos
Linguagem Inglês
Orçamento 7.000

ELENCO:
Sidney Poitier como Porgy
Dorothy Dandridge como Bess
Sammy Davis Jr. como Sportin 'Life
Pearl Bailey como Mary
Brock Peters como Crown
Diahann Carroll como Clara
Ruth Attaway como Serena Robbins
Claude Akins como Detetive
Clarence Muse como Peter
Ivan Dixon como Jim


Prêmios e indicações

André Previn e Ken Darby ganharam o Oscar de Melhor Trilha Sonora de Musical.
Leon Shamroy foi indicado para o Oscar de Melhor Fotografia (cor) , mas perdeu para Robert Surtees em Ben-Hur.
Irene Sharaff foi nomeada para o Oscar de Melhor Figurino (cor), mas perdeu para Elizabeth Haffenden em Ben-Hur.
Gordon Sawyer e Fred Hynes foram nomeados para o Oscar de Melhor Som, mas perderam para Franklin Milton em Ben-Hur.

O filme ganhou o Globo de Ouro de Melhor Filme - Musical ou Comédia.
Sidney Poitier e Dorothy Dandridge foram nomeados na categoria de performance musical / comédia, mas perderam para Jack Lemmon e Marilyn Monroe, ambos em" Some Like It Hot".
N. Richard Nash foi nomeado para o Melhor Roteiro, mas perdeu para Robert Smith, Jack Rose e Melville Shavelson em "The Five Pennies".
A trilha sonora ganhou o Grammy de Melhor Álbum de Trilha Sonora ou gravação de elenco original de um filme ou televisão .



Porgy and Bess é um filme americano de 1959 dirigido por Otto Preminger. Baseia-se na ópera de 1935 de mesmo nome criada por George Gershwin, Heyward DuBose e Ira Gershwin, que
por sua vez foi baseado no romance Porgy, de Heyward escrito em 1925, e as subseqüentes adaptações teatrais não-musicais de 1927 que Heyward co-escreveu com sua esposa Dorothy .

O roteiro para o filme feito por N. Richard Nash, que transformou os recitativos da ópera em diálogo falado, o que ficou bem perto da base na ópera da versão de 1942, pois Samuel Goldwyn queria que se fugisse o menos possível do original. No entanto, nem todos pensaram assim, considerando a obra original.

O projeto provou ser o último para Samuel Goldwyn, que tinha produzido com Wuthering Heights, "The Best Years of Our Lives" , e "Guys and Dolls", e toda a série de teatros operísticos em filmes, entre muitos outros, durante a sua longa carreira. Devido ao seu tema polêmico, o filme foi exibido apenas brevemente após o seu compromisso inicial e reservado para as grandes cidades, onde recebeu críticas desfavoráveis e algumas elogiosas.


Samuel Goldwyn no centro

Embora o filme tenha ganho um Oscar e um Globo de Ouro, e sua trilha sonora laureada com um Grammy, foi um fracasso comercial, ganhando de volta apenas a metade de seus 7 milhões de dólares de custo. Foi transmitido pela rede de televisão apenas uma vez em 1967 e em 1959 não foi transmitido em sua íntegra.O filme teve várias apresentações durante os anos 1970 em Los Angeles na televisão local, uma estação independente com acesso à saída Studios Goldwyn, provavelmente usando a impressão especial que foi feita para a apresentação da rede ABC-TV.

A locação Goldwyn tinha os seus direitos apenas por 15 anos, e depois de expirado, o filme não poderia ser mostrado sem a permissão das propriedades Gershwin e Heyward, e mesmo assim somente após compensação substancialmente paga. Ira Gershwin e a propriedade Gershwin ficaram descontentes com o tratamento que Otto Preminger deu ao filme, e assim os direitos do mesmo foram revogados durante os anos 70. Como resultado, o filme nunca foi legalmente transferido para o vídeo e apenas algumas exibições públicas foram permitidas.



Quando as dificuldades em relação ao filme forem finalmente resolvidas, espero que os engenheiros da Sony/BMG consigam rastrear as fitas masters originais e possam produzir uma restauração verdadeiramente fina desta película, há muito perdida para o público.

Apesar dos repetidos pedidos, a propriedade Gershwin repetidamente recusou-se a conceder permissão para o filme ser visto. Algumas cópias circulam entre colecionadores e estão reservadas aos museus. Poucas seleções públicas foram permitidas, e acredita-se que o negativo original esteja na extrema necessidade de uma restauração.

Mas, por que aconteceu isso ? Como pode, depois de transcorridos tantos anos, ainda perdurar este clima de frustração? A família Gershwin alega de o filme ter alterado drasticamente a obra do compositor e quanto ao filme ainda permanece aquela sensação que ele desvenda o racismo como uma ferida americana.

Afinal, Samuel Goldwin como grande apreciador de óperas só quis, lógico ao lado comercial, promover uma obra americana clássica. O fato é que muitas dissidências e rancores rondaram a produção deste filme, que foi considerado deslumbrante, emocionante e comovente, repleto de emoções humanas e com melodias alegres e tristes, sendo tanto um clássico na tela, assim como foi no palco.


George Gershwin

Eu simplesmente estou bastante confusa a respeito do porquê os direitos ainda estão em disputa. Não há nada excessivamente ofensivo, nem politica e artisticamente incorreto. Infelizmente, negligência e apatia são, provavelmente, a culpa ... deve-se dizer que, embora notável, o filme em si deixa de comunicar plenamente a paixão desta mais americana das óperas. Várias pessoas, como Otto Preminger e os vários produtores, incluindo Hal Wallis , Louis B. Mayer, Schary Dore, Anatole Litvak, L. Joseph Mankiewicz, e Harry Cohn, que tentaram garantir os direitos do filme, mas sem sucesso.

Gershwin morreu em 1937 sem deixar testamento. Toda a sua propriedade passou para sua mãe. Ele está enterrado no cemitério Hills Westchester em Hastings-on-Hudson, Nova York. A propriedade Gershwin continua a coletar royalties de licenciamento de significativos direitos autorais sobre o seu trabalho. Os direitos autorais de solo de todas as obras de Gershwin expiraram no final de 2007 na União Europeia, baseado na vida além de 70 anos, que está em vigor na UE. Em 2005, The Guardian, um jornal britânico, reportou que, usando "as estimativas de lucros acumulados durante a vida do compositor", George Gershwin foi o compositor mais rico de seu tempo.

Gershwin teve um caso de dez anos com a compositora Kay Swift e freqüentemente consultava-a sobre sua música, e embora sendo uma relação estável, os dois nunca se casaram. A neta de Kay Swift, Katharine Weber, sugeriu que o par não tenha se casado porque a mãe de George, Rose, não o permitiu, devido Kay Swift não ser judia. Depois que Gershwin morreu, Swift fez arranjos de algumas de suas músicas, transcritas para algumas de suas gravações, e colaborou com seu irmão Ira em vários projetos.




A familia de Gershwin odeia o filme e se recusa a conceder os direitos musicais, embora os direitos dramáticos estejam em domínio público. Este tipo de rixa lembra o mesmo que se ergueu
desde o lançamento em vídeo de Carousel por quase 15 anos (embora, nesse caso, foram os direitos dramáticos que estavam em litígio). A partitura da ópera, que o compositor passou dois
anos de sua carreira trabalhando dedicados a ela, e até mesmo meticulosamente orquestrada, foi 'drasticamente' modificada, segundo os defensores de seus direitos musicais. Foi para fora
do gênero de ópera e introduzido no teatro musical com diálogo falado. Mas, isso tudo é para os padrões puristas, porque o arranjador do filme, o grande André Previn ganhou o Oscar de Melhor Trilha Sonora.




Mas, e quanto ao público em geral? O que a maioria das pessoas viu e amava era a produção Goldwyn como uma entidade em si. A maioria, como até hoje, não tinha conhecimento ou apreciação dos fatores artístico / político / empresarial. E depois, um novo arranjo musical para uma produção cinematográfica não destrói nenhuma ópera, mesmo porque ela continua nos palcos com o seu estilo original.

O certo é que foi bem desastrada a história que é sempre relatada sobre esta produção.

A ópera original Porgy and Bess de 1935, de produção na Broadway, foi encerrada após apenas 124 performances. Um revival de 1942, despojou-a de todos os recitativos, e um outro revival foi feito em 1953, mas em termos financeiros, o trabalho não teve um histórico muito bom. Ainda assim, havia muitas pessoas que pensavam que a obra tinha potencial como um filme, como foi a credibilidade de Samuel Goldwyn ao trabalho que se dispôs a produzir.

Cohn ainda queriam lançar Fred Astaire, Al Jolson, e Rita Hayworth e fazê-los atuar em blackface, algo que a propriedade Gershwin foi violentamente contra, graças a Deus, pois seria uma total degeneração. Já havia sido acordado que, a menos que fosse absolutamente impossível, dado um determinado conjunto de circunstâncias, Porgy and Bess devia ser sempre realizada por atores e cantores negros.

Por 25 anos, Ira Gershwin resistiu a todas as ofertas, pois achava que o trabalho de seu irmão seria "degenerado" por Hollywood, o que de certa forma ele tinha razão se deixasse correr frouxo. Entretanto, em 1957, ele vendeu os direitos para Samuel Goldwyn por 600 mil dólares como adiantamento contra 10% da receita bruta do filme. E, a partir daí, começaram as divergências. Começou com o roteiro.



Quando Langston Hughes, a primeira escolha de Goldwyn para ser o roteirista, revelou-se indisponível, o produtor se aproximou de Paul Osborn, Frances Goodrich, Albert Hackett, Sidney Kingsley, Jerome Lawrence, Robert E. Lee, Clifford Odets, Rod Serling, os quais manifestaram diferentes graus de interesse, mas citaram compromissos anteriores, reveladamente tirando o corpo fora. Goldwyn finalmente assinou com N. Richard Nash, cujo roteiro implicou em mudar praticamente todo o recitativo cantado para o diálogo falado, assim como no revival de palco de 1942. Os recitativos em si não tiveram que realmente ser reescritos, porque não rimam, enquanto as palavras em todas as músicas o fazem.

Problemas com a direção:
Para ser o diretor do filme, Goldwyn procurou Elia Kazan, Frank Capra e King Vidor, todos sem sucesso. Ele finalmente resolveu a questão com Rouben Mamoulian, que foi quem dirigiu as produções originais da Broadway, tanto a peça Porgy e como sua adaptação operística.

O ensaio geral foi marcado para 03 julho de 1958, mas de madrugada, um incêndio destruiu todos os cenários e figurinos, numa perda de US $ 2 milhões. Rumores de que o incêndio havia sido iniciado por negros incendiários determinados a encerrar a produção, imediatamente começaram a circular pelo estúdio. Goldwyn denunciou publicamente a história, e o estúdio manteve como certo de que o fogo tinha sido deliberadamente ateado.



A produção teve que se afastar por um período de seis semanas para permitir a reconstrução. Durante este período, o diretor Mamoulian repetidamente entrou em choque com o produtor sobre vários aspectos do filme, e Goldwyn o demitiu. William Wyler estava disposto a intervir se Goldwyn pudesse adiar o projeto por alguns meses, mas o produtor optou por substituir Mamoulian por Otto Preminger, que tinha começado a preparar tanto Exodus e Anatomy of a Murder, mas estava disposto a pegar a oportunidade de direção de Porgy and Bess.

Mamoulian ficou furioso não só que ele havia sido demitido após oito meses de pré-produção do trabalho, mas que ele tinha sido substituído por Preminger, que desde 1944 ao assumir a direção do filme Laura, tiveram alguns atritos que ficaram pendentes.

Alegando que Goldwyn tinha demitido-o por "motivo fútil, rancoroso, ou ditatorial não pertinente à habilidade do diretor ou de sua obrigação", levou o seu caso para a "Directors Guild of America" que notificou todos os seus membros, incluindo Preminger, que eles não poderiam entrar em um contrato com Goldwyn. Isto levou a "Producers Guild of America" a se envolver. Eles insistiram que Goldwyn tinha o direito de alterar os diretores e não estava em quebra de contrato porque tinha pago na íntegra a Mamoulian. Quando Mamoulian mudou de tática e tentou levantar acusações de racismo contra Preminger, perdeu todo o apoio que ele havia conseguido reunir, e após três semanas o assunto foi resolvido em favor da Goldwyn.


Otto Preminger

Mas, Otto Preminger também brigou algumas vezes com Godwiyn, quando teve que suavizar os papéis de Bess e Sportin 'Life em conformidade com os regulamentos do Código de Produção de Hollywood da época. Se os dois dos personagens principais mostrassem uma mulher "fácil" e um cafetão tráficante de drogas, o filme iria pagar por seus pecados, mas especialmente Preminger que desafiou o código com três outros filmes - The Moon Is Blue (1953), o primeiro filme a usar as palavras "virgem", "seduzir" e "senhora," O Homem do Braço de Ouro (1955), um filme que graficamente tratou o abuso de drogas e Anatomy of a Murder (1959), onde o estupro é a questão central. No caso, ele jogou pelo seguro com Porgy, e com um grande estúdio como o de Samuel Goldwyn Produção.

Preminger opôs-se aos conjuntos estilizados e figurinos elaborados - "Você tem uma puta de dois dólares em um vestido de dois mil dólares", ele advertiu a Goldwyn e queria que Previn fornecesse orquestrações favorecendo o jazz ao invés de sinfonia, mas o produtor queria que o filme parecesse soar como a produção original da Broadway, a qual ele admirava muito.

Ele relutantemente concordou em permitir que o diretor filmasse a seqüência de piquenique na Ilha de Veneza perto de Stockton, mas na maior parte Preminger sentiu que seus instintos criativos foram sufocados. Somente na área de filmagem que ele exerceu o controle completo, disparando como cenas extras, de modo que Goldwyn não poderia mexer com o filme uma vez que já estava concluído.

A mudança de direção foi estressante para Dandridge que, segundo seu empresário, tinha terminado um 'affair' com Preminger quando ficou grávida, porque ele insistiu que ela fizesse um aborto. Segundo o diretor, ele tinha terminado o seu relacionamento com a atriz, porque não estava nem disposto a se casar com ela, nem lidar com suas emoções instáveis. Em qualquer caso, Dorothy Dandridge estava infeliz e não tinha auto-confiança, especialmente quando o diretor começou a criticar seu desempenho. O diretor acabou por ter um "rancor" pessoal contra ela, provocando comportamento degradante no set, e deixando-a em lágrimas. Há quem diga que foi mesmo 'bullying' o que aconteceu.




Mas, nem tudo foi problema. Quem assistiu ao filme, diz que a sensibilidade do diretor é ressaltada pela música sublime com a emoção de Preminger saindo da própria história, como por exemplo quando Bess canta a bela canção "I Loves You Porgy."

Problemas com o elenco:
Por causa de seu tema de prostituição, toxicodependência, prostituição, violência e assassinato, Porgy and Bess provou ser difícil de arranjar um elenco. Muitos atores negros sentiram a dramaticidade da história, mas que esta perpetuava estereótipos negativos e então recusavam o papel.

Harry Belafonte achou o papel de Porgy muito humilhante e recusou. Assim, muitos artistas se recusaram a participar do projeto que Goldwyn realmente considerava que seria um sucesso na certa. No entanto, Jackie Robinson, Sugar Ray Robinson e a cantora Clyde McPhatter para os papéis principais foram aceitos.



Sidney Poitier quando aceitou o papel de fazer Porgy estava no ponto em que sua carreira estava apenas começando a pegar fogo, e seu carisma brilhava por onde andava e tanto é assim no filme inteiro. Mas, não foi uma boa oferta para Sidney Poitier. "Porgy", lhe era sentido muito ofensivo e estereotipado para o final da década de 50. Conta-se que Goldwyn ameaçou-o pessoalmente em arruinar sua carreira no cinema, se ele teimasse nessa opinião.



Sabe-se, e o que se conta, é que Goldwyn ofereceu a Sidney Poitier a quantia de $ 75.000 para retratar Porgy, isto como sinal de um contrato verbal. O ator tinha sérias reservas sobre o papel e recusou-o, mas seu agente levou Goldwyn a acreditar que ele poderia convencer seu cliente para estrelar o filme. Goldwyn ameaçou processar o ator por violar um contrato verbal. Quando Poitier percebeu que sua recusa para estrelar Porgy poderia comprometer a sua aparição no filme de Stanley Kramer "The Defiant Ones" , ele reconsiderou e aceitou a contragosto, assegurando a Goldwyn que ele iria fazer sua parte com o melhor de sua capacidade, e sob as circunstâncias impostas.

A primeira e única escolha de Goldwyn para o papel de Bess era Dorothy Dandridge, que aceitou o papel sem entusiasmo. Suas co-estrelas em Carmen Jones como Pearl Bailey, Brock Peters e Diahann Carroll também aceitaram papéis, mas todos eles tinham preocupações sobre como seus personagens seriam retratados. Bailey advertiu a figurinista Irene Sharaff para ela não usar qualquer 'bandanas', porque ela não estava disposta a se olhar como Tia Jemima (marca de panqueca).


Dorothy Dandridge

Dorothy Dandridge como Bess está espetacularmente bonita. Brock Peters como Crown é agressivamente masculino. Pearl Bailey como Mary oferece alguns momentos de humor, embora o seu papel seja pequeno. E Sammy Davis, Jr., como Sporting' Life, rouba cada cena em que ele está, onde está especialmente fascinante em seus dois grandes números: ""It Ain't Necessarily So"( Não é necessariamente assim) e "There's a Boat that's Leavin' Soon for New York."( Há um barco em Leavin 'Soon para Nova York)".

Quanto à escolha de Sammy Jr. tem uma história meio cabeluda. Apenas a cia Las Vegas Entertainer de Sammy Davis Jr. manifestou interesse em aparecer no filme, e disposto para um teste para um papel durante uma festa na casa de Judy Garland. A esposa de Ira Gershwin, Leonore Gershwin, estava presente e, horrorizada com a vulgaridade de Davis, implorou a Goldwyn, "Swear em sua vida você nunca vai usá-lo no filme, promete." O produtor, que desdenhosamente ao referir-se a Sammy Davis aludia à imagem "macaco", assegurou-lhe que iria tirá-lo a todo custo e ofereceu o papel de Sportin 'Life para Cab Calloway. Davis com Frank Sinatra e alguns de seus associados fizeram pressão a Goldwyn, que finalmente anunciou a Davis, "A parte é sua. Mas, será que vou ter que ver sempre aqueles homens?"



Como Poitier não conseguia cantar adequadamente e a partitura foi além do alcance da voz de Dandridge, foi decidido que suas vozes seriam dubladas, e Goldwyn insistiu que apenas cantores negros pudessem ser contratados para a tarefa. Leontyne Price, que havia retratado Bess na turnê européia de 1952 e do aclamado revival de 1953 na Broadway, foi convidada para cantar o papel no filme, mas respondeu: "Nenhum corpo, nenhuma voz."

Tudo começou com Sam Goldwyn convidando Leontyne Price para um almoço, com a grande diva pensando que ele fosse lhe oferecer o papel principal do filme. Quando ele lhe disse apenas usar sua voz na trilha sonora, ela imediatamente se levantou, disse-lhe onde ele poderia ir, e saiu.

Adele Addison e Robert McFerrin foram contratados para tal, mas nenhum crédito na tela a eles foi concedido.

Assim, Sidney e Dorothy são dublados, mas eles são dublados extremamente bem. A requintada "Summertime" que é cantada por Clara e interpretada por uma jovem Diahann Carroll, tem seu canto também dublado. (Na verdade, apenas Pearl e Sammy fazem suas próprias vocalizações.)




Robert McFerrin (o pai do popular músico Bobby McFerrin) dublou Porgy e Adele Addison dublou Bess. Enquanto Sammy Davis Jr. cantou suas próprias músicas no filme, seu contrato de gravação não permitiria a sua voz para ser ouvida no álbum da trilha sonora, de modo que Cab Calloway gravou seu número (espetacular) para esse lançamento. O baixo/barítono Brock Peters extraordinário e Pearl Bailey é sua própria voz, o único. Diahann Carroll, apesar de ser uma ótima cantora, tem o pequeno papel de Clara, que exigia um soprano alto, e assim a tarefa foi confiada a Marni Nixon, que dublou o seu canto.


Diahann Carroll
O muito do impacto emocional do filme é devido às performances de Poiter e de Dandridge, quando o espectador torce para o seu amor vencer num jogo de palavras com o tempo de execução de 136 minutos, ou na cena de Bess vendo um advogado para obter o divórcio de Crown, mesmo que ela não seja mesmo casada com ele.

Completando a equipe principal, foram destacados o desenhista de produção Oliver Smith, que ganhou o Prêmio Tony de Melhor Cenografia para "My Fair Lady" e André Previn e Ken Darby, como supervisores de música.

Apesar da intenção de Goldwyn ter sido sempre não se distanciar do original, de que o som e a música deveriam ser tanto quanto possível iguais aos da ópera original, ele deixou que Previn e sua equipe pudessem completamente reesescrevê-la e até mesmo alterar a tonalidade, destacando as cenas de luta e em vários outros momentos, bem como na abertura para o filme. Dois músicos foram trazidos para re-orquestrar a obra magistral do compositor. Não era pois de se admirar que o Gershwin Estate tenha ficado horrorizado e teria tentado tirar o filme de circulação e queimado todas as cópias.





A composição americana  mais ambiciosa foi Porgy and Bess (1935). Gershwin chamou-a de uma "ópera popular", e é agora é amplamente considerada como uma das óperas americanas mais importantes  do século XX. Desde o início, os críticos não conseguiram descobrir como avaliá-la: ópera, ou simplesmente um ambicioso musical da Broadway? A composição de Gershwin cruzou as barreiras ", diz o historiador de teatro Robert Kimball." Não foi uma obra musical em si, e não era um drama, por si só. Mas o trabalho tem a sorte de sempre estar fora da categoria.

Baseado no romance "Porgy" de DuBose Heyward, a ação acontece no bairro negro ficcional, e com a exceção de vários papéis menores que são falados, todos os personagens são negros.
A música combina elementos da música popular, com uma forte influência da música negra, com técnicas típicas da ópera, como o recitativo, e um extenso sistema de 'leitmotifs'. Porgy and Bess contém algumas das músicas mais sofisticadas de Gershwin, incluindo uma fuga , um passacaglia, o uso da atonalidade, politonalidade e polirritmia.

A fotografia principal terminou em 16 de dezembro de 1958. Os executivos da Columbia estavam descontentes com o filme, especialmente com o seu término, e alguém sugeriu que fosse alterado para permitir a Porgy andar. Goldwyn, no entanto, estava determinado que o filme obedeceria a ser fiel à sua fonte, indo tão longe a ponto de insistir que iria ser descrito como uma "ópera popular americana" em vez de um "musical" em toda a sua publicidade.

Ele abriu o filme, em caráter reservado no Warner Theatre in New York City, em 24 de junho de 1959 e o Carthay Circle Theater em Los Angeles em 5 de julho. Logo após a abertura em Atlanta, no início de agosto, o filme foi cancelado porque irritou alguns espectadores negros, e, embora o Atlanta Journal acusasse Goldwyn de censurar seu próprio filme, puxou o filme a partir de várias outras áreas em todo o país também.


Ira, Gershwin e Astaire.

SINOPSE:
Situado no início de 1900 num local ficcional de Catfish Row em Charleston, Carolina do Sul, mostra uma comunidade de pescadores negros, cuja história centra-se nos personagens principais: Porgy, um mendigo aleijado e Bess, uma viciada em drogas, que vive com o estivador Crown, o valentão local. Enquanto estava sob o efeito de grande dose de cocaína fornecida por Sportin 'Life, Crown mata Robbins durante uma briga, motivada por um jogo de dados, e Bess insta-o a fugir. Sportin 'Life sugere que ela o acompanhe até Nova York, uma oferta que Bess recusa.



Ela busca refúgio com seus vizinhos, os quais se recusam a ajudá-la. Porgy finalmente concorda em deixá-la ficar com ele. Bess e Porgy dentro de uma vida doméstica juntos, logo se apaixonam. Pouco antes de um piquenique da igreja em Kittiwah Island, Sportin 'Life, mais uma vez se aproxima de Bess, mas Porgy avisa para deixá-la sozinha. Bess quer ficar com Porgy, já que ele não pode participar do piquenique por causa de sua deficiência, mas ele insiste para ela ir. Após o piquenique acabar, e antes de Bess poder deixar o local, Crown, que foi se esconder na floresta na ilha, confronta-a. Ela inicialmente se esforça para resistir-lhe, mas Crown a estupra. Os outros, não sabendo exatamente o que aconteceu, saem e voltam para o continente.





Dois dias depois, Bess retorna ao Catfish Row em um estado de delírio. Quando se recupera, ela se lembra do que aconteceu e a sensação de que ela traiu Porgy, faz ela implorar o seu perdão. Ela admite que é incapaz de resistir a Crow e pede a Porgy para protegê-la dele. Crown eventualmente retorna para reclamar sua mulher, e quando ele tira a faca, Porgy estrangula-o.

É detido, então, pela polícia apenas para identificar o corpo, mas Sportin Life ', que tem alimentado Bess de cocaína, convence-a inadvertidamente que irá revelar-se ser o assassino. Em seu estado drogado, ela finalmente aceita sua oferta para levá-la para Nova York. Quando Porgy retorna e descobre que ela se foi, ele sai para encontrá-la.


Sportin' Life, traficante interpretado por Sammy Davis Jr. cantando "It Ain't Necessarily So ".


Clique no link: https://www.youtube.com/watch?v=naEiESmTdp8&hd=1


outra cena do filme:



A trilha do filme:







Se quiser ouvir a bonita canção, cl Summertime:



Nesta volta aos teatros americanos, o revival de 2011 de Porgy and Bess está sendo apresentado no American Repertory Theater em Cambridge, Massachusetts, um teatro sem fins lucrativos-profissional, dirigido por Diane Paulus, que ganhou o Tony Awards pelo musical Hair, e tem composição de Diedre Murray.






                                                                     

Levic

5 comentários:

  1. Olá! Meu nome é Charlie, minha mulher é cantora lírica e já apresentou parte de The Gershwins' Porgy And Bess. Estamos procurando esse filme para assistirmos. Gostaria de saber se voce o tem em DVD e se há a possibilidade de nos vender uma cópia.
    Meu E-mail é: charliefcurcio@gmail.com
    MSN: charlie.sc@hotmail.com

    Desde já aguardo teu retorno. Tudo de bom.

    Forte abraço!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Caro Charlie Curcio:
      O filme de O.Preminger eu tenho uma cópia bem antiga, dada por um amigo.
      Agora, a ópera eu acabei de comprar da gravadora EMI,a única que tenho notícia até agora.Ela está muito bem gravada e faz parte do Festival Glyndebourne de londres. Se vc quiser, posso lhe fazer uma cópia. Deixo-lhe o meu email para vc se comunicar comigo. ledavicter@gmail.com
      Abraços Leda

      Excluir
  2. Cara, Leda! Recebi os DVDs. Não tenho palavras para te agradecer. Voce é uma pessoa extremamente atenciosa e gentil.
    Grande abraço!

    ResponderExcluir
  3. Oi Leda, meu blog tá mesmo desatualizado. Na verdade, toda a minha vida virtual está bem conturbada, mas esse ano promete vir com novidades, pois vou comecar uma pesquisa academica na area, o que inevitavelmente estimulara a escrita! Ah, e seu blog nem parece um blog, é quase um livro, com tantas informações historicas, fotos, videos! Vc le muito sobre o tema? Ah, e sobre o meu post BRINCANDO DE OKLAHOMA, tem que imprimir os bonequinhos, recortar tudo, montar o cenario e ai é só brincar! heheh Abraço! Marina

    ResponderExcluir
  4. Boa noite, eu sou o Jorge da Ilha da Madeira - Portugal.
    Antes de tudo gostaria de agradecer e que afinal encontramos Blogues desta natureza e que pela sua qualidade independentemente deste ou daquele tema, porque afinal de diversidade é uma componente muito forte na cultura.
    Gostaria no entanto e se fosse possível uma cópia, porque já tentei em tudo o que é sitio, e nem sequer em vídeo ou mesmo que fosse em cassete VHS. Peço desculpa pela ousadia, a este meu pedido, mesmo com portes postais ou por outro meio seria uma preciosidade que infelizmente não assisti no cinema e que gostaria de ver e afinal mais uma obra mestra do cinema, como é este filme de "The Gershwins' Porgy And Bess.
    Fico a aguardar uma reposta à minha solicitação. Sem outro assunto e com as cordiais saudações e bem hajam pela qualidade das escolhas dos seus temas musicais. da industria Cinematográfica e outros.

    Funchal / Madeira - Portugal

    JMAbreu

    ResponderExcluir