quinta-feira, 5 de agosto de 2010

Os memoráveis musicais da década de 40-Um Resumo




Os musicais realmente entraram em plena floração no final da década de 1930 e estrondou na década de1940, com um aumento da procura de entretenimento escapista durante a Segunda Guerra Mundial e também porque foram 'conseguidos' orçamentos maiores para o gênero musical. A década de 1940 inaugurou o auge dos musicais da MGM elaborados em technicolor, pois a cor também estava sendo introduzida nas grandes produções de fantasias.

A maior e melhor fantasia, a que se tornou mais popular, foi sem dúvida a obra artística da MGM, a obra clássica em Technicolor que é O Mágico de Oz (1939)- "The Wizard of Oz", estrelado por uma jovem atraente e emergente estrela Judy Garland como Dorothy, em uma terra mágica de sonhos, cantando "Over the Rainbow". Garland foi reconhecida anteriormente por sua canção "Dear Mr. Gable / You Made Me Love You" no filme Melodia de Broadway de 1938 - "The Broadway Melody of 1938", cuja estreia foi 1937.

Nem mesmo os estúdios Disney com Branca de Neve e os Sete Anões (1937) - "Snow White and the Seven Dwarfs", o primeiro longa-metragem de animação, e que também foi o primeiro musical animado com a personagem título ocasionalmente cantando no filme, não conseguiu a fascinação popular do Mágico de Oz. Branca de Neve é um filme lindo, onde aparecem canções premiadas por uma linda voz suave, cantada por Adriana Caselotti. Suas canções estão incluídas no melodioso "Heigh-Ho", "Some Day My Prince Will Come" e "With a Smile and a Song". A cena do poço é de uma ternura e beleza que encanta a todos.




Um outro filme da Disney, embora não seja tecnicamente um musical, mas visualmente uma brilhante obra-prima é a animação Fantasia (1940) todo feito em cima dos arranjos melodiosos da música clássica. Vale a pena também.




Assim como em outros gêneros cinematográficos, principalmente os filmes de faroeste e os de gangster, os tons mais escuros surgiram em alguns musicais no período de guerra, como o é o do diretor Michael Curtiz, uma comédia musical technicolor "My Dream is Yours"- Meu Sonho é Teu (1949), da Warner Bros, que é um filme estrelado por Doris Day, em seu segundo filme. Na sua história sobre um romance atormentado, semelhante a "A Star is Born", o filme demonstrou como as relações pessoais entre os intérpretes foram sacrificadas por suas carreiras como mostra uma mãe viúva Martha Gibson (Doris Day) que tem a seguinte fala: duas carreiras em uma família é demais. Vamos concentrar apenas na minha,ok? referindo-se ao personagem que era um popular cantor de rádio egoísta e vaidoso, o senhor Gary Mitchell (Lee Bowman).

Um dos tops da MGM na década de 1940 era composto de equipe musical envolvendo crianças ou jovens americanos, onde se destaca a parceria de Mickey Rooney e Judy Garland, emparelhados juntos em sete filmes populares, desde 1937 até 1948. São filmes que se expressam em uma série de musicais feitos "fundo de quintal", ou seja, um grupo de adolescentes colocados no seu próprio show musical contra a insuperável adversidades, muitas vezes dirigidos e ou coreografados por Busby Berkeley.

Ou então uma série de filmes de Andy Hardy, personagem fictíticio vivido pelo ator Mickey Rooney, abrangendo o período de 1937 até 1958. Durante estas duas décadas foram feitos 16 filmes, baseados nos personagens de uma peça teatral intitulada "Skinning", de Aurania Rouverol. O primeiro filme da série, "A Family Affair" (1937), foi feito sem que houvesse a pretensão de se criar uma série em seguida. Quando a série teve início, entretanto, a maior parte do elenco foi alterada, com as exceções de Rooney e Sara Haden, que fazia sua tia Milly. O terceiro filme foi co-estrelado por Garland e Rooney.

A MGM também apresentou uma série filmes com Judy Garland, como peças de shows. Ela era a rainha jovem e top star do musical na década de 40. Além de seus filmes com Mickey Rooney, ela também se apresentou em Little Nellie Kelly (1940), Ziegfeld Girl (1941), um filme com números de dança extravagantes, co-estrelado por Lana Turner e Hedy Lamarr, e centenas de coristas belamente trajadas como no Ziegfeld Girls, sendo que uma das quais era Judy Garland.

E ela também apareceu nos filmes de Busby Berkeley como no "For Me and My Gal " no ano de1942 com Gene Kelly em sua estréia no cinema. Porém uma comédia musical leve bateu no coração, quando foi apresentada "The Harvey Girls" de 1946, em que Judy canta "On the Atchison Topeka", e outros musicais de sucesso como "The Ziegfeld Follies" (1946), "Till The Clouds Roll By" (1946), aparecendo como Marilyn Miller e cantando "Look For the Silver Lining", e um outro que é considerado um dos grandes que é o musical "Easter Parade" (1948), com Fred Astaire, e ainda "In the Good Old Summertime" (1949)), um musical remake de A Loja da Esquina, "The Shop Around the Corner" (1940) com Van Johnson.

Entretanto, de todos os filmes de Judy Garland o seu melhor papel foi cantando os sucessos de Hugh Martin-Ralph Blane, incluindo "The Boy Next Door" e " TheTrolley Song" que foram exibidos no nostálgico período musical da MGM, um tempo de guerra nos estúdios, cujo filme veio a ser "Meet me in St. Louis (1944), que foi dirigido por seu futuro marido, Vincente Minnelli. A história sobre uma família de classe média em uma virada do século foi baseada em histórias
de New Yorker por Sally Benson. As músicas e danças do filme foram feitas em circunstâncias naturais onde os personagens as executam como forma de promover a trama e para revelar as vidas dos personagens e suas emoções, como Garland em "Have Yourself a Merry Little Christmas". A 'dança do cisne' dos filmes de Garland na MGM foi "Summer Stock" (1950) em que ela novamente co-estrelou com Gene Kelly e cantou "Get Happy", que foi um arraso!



Os anos 40 marcam um outro tipo de filme muito interessante. São os filmes musicais biográficos de compositores, figuras e músicos de conjuntos e bandas, tornando-se um dos principais subgêneros. Não deixa de ser um filme com músicas mas não necessariamente um musical. Muitos dos citados são realmente musicais, mas nem todos, principalmente os dos compositores de música clássica. Entretanto, esses filmes fizeram muito sucesso e são apreciados até hoje,
e muitos deles são belíssimos.

Assim, vamos encontrar em primeiro lugar o patriótico filme da Warner "Yankee Doodle Dandy" (1942) , estrelado por James Cagney, que ganhou o Oscar de Melhor Ator, contando a vida de George M Cohan.

A carreira idealizada e atemporal do compositor americano de música George Gershwin, no filme "Rhapsody in Blue" (1945), estrelado por Robert Alda, e com o aparecimento de Al Jolson cantando "Swanee".




No rol desses filmes entra também um filme contando a história fictícia da vida de negócios dos show de vaudeville e de palcos da Broadway interpretado por Al Jolson, feito pela Columbia o "The Jolson Story" (1946), estrelado por Larry Parks, que fazia playback das canções de Jolson, e que teve tanto sucesso que sua popularidade levou-o ao segundo como "Jolson Sings Again" (1949).



O filme "Night and Day (1946)"- A Canção Inesquecível- de Michael Curtiz conta a vida do compositor Cole Porter, interpretado por Cary Grant, no qual ele canta até bem e a biografia musical do compositor Jerome Kern se revela no bonito filme da MGM, chamado " Till The Clouds Roll By" (1946)- Quando As Nuvens Passam".



Outros filmes com abordagens biográficas são: "The Fabulous Dorseys" (1947) das estrelas de big-band Jimmy e Tommy Dorsey, "Words and Music" (1948) da vida dos compositores Richard Rodgers e Lorenz Hart, " Irish Eyes Are Smiling" (1944) do compositor irlandês Ernest R. Ball, interpretado por Dick Haymes. Os outros filmes desse tipo pertencem a outra década e, portanto, deixamos para depois.




Os compositores clássicos também foram destaque em filmes de Hollywood, como os seguintes filmes:
"A Song to Remember" (1943) que é a biografia do compositor polonês Frederico Chopin, estrelado por Cornel Wilde, Paul Muni e Merle Oberon, baseado na romancista George Sand;




"Song of Love" (1947) sobre o jovem compositor alemão Johannes Brahms (Robert Walker) e músico Robert Schumann (Paul Henreid) e sua esposa interpretada por Katharine Hepburn e dirigido por Clarence Brown;


"Sun Valley Serenade" (1941) e "Orchestra Wives" (1942) dois filmes que falam de Glenn Miller, a mais famosa big band dos anos 40.


Uma outra veia exploratória que os filmes musicais foram buscar são as coreografias de patinação artística, principalmente os filmes da 20th Century Fox, exibindo as habilidades da campeã norueguesa de patinação Sonja Henie, que se tornou estrela inclusive. Ela foi apresentada no estilo dos números musicais dos filmes follies, com coreografias no gelo. Filmes como Thin Ice (1937); My Lucky Star (1938) e Sun Valley Serenade (1941).

Uma das maiores estrelas da MGM na década de 1940 foi nadadora Esther Williams, que encontrou uma forma engenhosa para aparecer em um maiô nos musicais . Ela se apresentava com outras nadadoras numa perfeita e linda coreografia com muita imaginação e em muitas situações interessantes de centralização em torno da água. Ela se apresentou em nado sincronizado ou em musicais de balés de natação , incluindo:

"Bathing Beauty" (1944) Escola de Sereias com Red Skelton;
"On an Island With You (1948), Numa Ilha com Você com Peter Lawford
"Neptune's Daughter" (1949) A Filha de Netuno, com Red Skelton
"Million Dollar Mermaid" (1952), uma biografia ficcionada dos primeiros filmes de natação da estrela Annette Kellerman, caracterizando pela sequência de balé coreografado na água pela criação de Busby Berkeley, o mestre das coreografias dos musicais.


A década de 40 é um tempo de guerra e o cinema não ficou fora disso. Havia necessidade, inclusive, de agitar bandeiras musicais para a construção moral dos cidadãos. O compositor Irving Berlin foi o mestre da canção patriótica, incluindo o seu hit de 1938 "God Bless America"-Deus Salve a América- e "Song of Freedom" - Canção da Liberdade do filme "Holiday Inn" (1942) .





O filme revista patriótico da Paramount "Star-Spangled Rhythm" (1942) apresenta Betty Hutton cantando "I'm Doing It For Defense," onde vários membros do elenco cantaram também "On the Swing Shift," e Bing Crosby cantou "Old Glory" (um apelido comum para a bandeira dos Estados Unidos)

e em frente a um monte feito de gesso que seria o Monte Rushmore (o monte onde estão esculpidos os rostos de quatro Presidentes dos Estados Unidos: George Washington, Thomas Jefferson, Theodore Roosevelt e Abraham Lincoln), onde os versos da música exaltavam "Germans, Italians, and Japs Can't kick us off our Rand-McNally maps", todos no mesmo filme.

"The Fleet's In" (1942) também da Paramount, é uma variedade de musical em tempo de guerra mostrando a frota americana e com músicas cujas letras são de Johnny Mercer. É o filme de estréia de Betty Hutton e um outro intitulado "Thousands Cheer" (1943) com um pavilhão acenando, feito pelo diretor George Sidney, com um final de revista com o memorável Gene Kelly em "Mop Dance"(a cena onde ele dança com um esfregão de chão).

A Columbia também referenciou este tempo em "Cover Girl "(1944) com Rita Hayworth como uma cantora de boate do Brooklyn (dublada ) e o coreógrafo e ator Gene Kelly ganhou com este filme a melhor marcação para o Oscar como Melhor Imagem, com Kelly dançando de forma surpreendente apresentando seu famoso Alter Ego na sequência de dança em frente ao espelho, e a canção "Make Way For Tomorrow".




Ainda podemos citar os filmes "Pin Up Girl" (1944), com Betty Grable (A Preferida) de H. Bruce Humberstone.





"Four Jills in a Jeep" (1944), com Kay Francis, Carole Landis, Martha Raye, Mayfair e Mitzi em um filme documentário, com versões da USO (United Service Organizações Inc. (OSU) que é uma organização sem fins lucrativos, organização privada que fornecia serviços recreativos e moral aos membros do exército dos EUA)) com mostras de canto, dança, comédia, discursos patrióticos, multidões de estrelas, a magia e outras formas de entretenimento, onde os atores e demais pessoas dos filmes trabalhavam, quase sempre, sem remuneração.



Num apanhado podemos colocar os seguintes filmes que estão incluidos neste aspecto de 'old glory': "Stage Door Canteen" (1943) um espetáculo repleto de estrelas da Broadway, com seis bandas e artistas, com Ethel Merman cantando "Marching Through Berlin"-A Marcha através de Berlim;

"This is the Army" (1943) do diretor Michael Curtiz, com Kate Smith cantando"God Bless America"(Deus Salve a América), com Ronald Reagan num dos primeiros papéis, e a canção de Irving Berlin "Oh, How I Hate to Get Up In the Morning";

Ainda "Thank Your Lucky Stars" (1943) literalmente um agradecimento da BM(Brigada Militar) as suas estrelas afortunadas, e foi a contribuição inicial de um espetáculo da Warner Bros com todas as estrelas para um trabalho voluntário de guerra. O filme é interessante porque ver cantando os astros como Errol Flynn e Bette Davis são deleites especiais para assistir ainda nos dias de hoje. E ao ver Humphrey Bogart obter uma vaia do SZ Sakall é hilário.




Também inclui o filme "Follow the Boys (1944)" da Universal;



E o filme "Hollywood Canteen" (1944) , outro apoio moral do diretor Delmer Daves e da Warner Bros, com um desfile de estrelas da Costa Oeste e uma 'resposta' ao filme anterior de um ano atrás, onde Roy Rogers cantou de Cole Porter "Don't Fence Me In ", e Kitty Carlisle interpretou a música "Sweet Dreams Sweetheart", tendo sido nomeada ao Oscar.



Nos anos de guerra, ressurgiram os filmes musicais estrelados por astistas negros de Hollywood: "Cabin in the Sky" (1943), da MGM , um musical feito em preto e branco e dirigido por Vincente Minnelli como sua primeira longa-metragem, e o filme da Fox, chamado "Stormy Weather" "(1943), que coloca no topo da história vários artistas negros da época, como Lena Horne, Bill 'Bojangles' Robinson, Dooley Wilson, Cab Calloway, Fats Waller e outros. Era necessário mostrar a contribuição do negro ao longo da história política do país.

Mas é preciso que se diga que os anos 40 teve a MGM como uma nova força revolucionária em musicais de Hollywood pela visão da alta qualidade dos musicais do produtor Arthur Freed, que era originalmente um letrista qualificado e compositor desde os primórdios do cinema musical falado na MGM.

Foi um dos mais importantes produtores de cinema dos Estados Unidos, produzindo preferencialmente filmes musicais, gênero que ajudou a popularizar-se nos anos 1930 até os anos 1950. Começou sua carreira no cinema compondo músicas para os primeiros musicais da Metro-Goldwyn-Mayer, estúdio para o qual trabalhou até o final de sua carreira.

Durante os anos 40 e 50 durante um período de 20 anos, Arthur Freed produziu pela MGM alguns dos melhores filmes musicais, os quais são marcos na história do gênero, e trabalhou com alguns dos mais talentosos diretores de cinema de Hollywood e com as melhores estrelas musicais.


Com seu olho clínico para a promoção de novos conceitos e formas musicais (para fazer números de dança e uma música parecendo natural como parte da história), e a escolha de diretores qualificados pela sua equipe -Unidade de Freed- ele foi buscar o melhor e assim trabalhou com Vincente Minnelli, Busby Berkeley, e Stanley Donen importados da Broadway, como também Rouben Mamoulian e Charles Waters, com o coreógrafo e diretor Gene Kelly, com os coreógrafos Michael Kidd, Robert Alton, Nick Castle, Fred Astaire e Hermes Pan, diretores musicais como o conceituado Andre Previn, e as estrelas de brilho como Judy Garland, Gene Kelly, Cyd Charisse, Debbie Reynolds, Fred Astaire, Frank Sinatra, Leslie Caron e June Allyson, entre outros.

Arthur Freed criou mundos de fantasia para os musicais na tela. No vídeo abaixo uma homenagem a ele, com todos os seus 47 filmes.





Até mais!

Levic

3 comentários:

  1. Muito boa postagem !
    Tomei a liberdade de colocar um link em meu blog desta sua postagem.
    Veja em: ngcanela.blogspot -> ANEXOS -> Década de 40 -> VEJA MAIS -> Musicais da década de 40.
    Se não estiveres de acordo ne comunique.
    SDS-Norberto

    ResponderExcluir
  2. bom eu li tudo amei sobre a década de 40 ótimo resumo vc consegui pegar ate os últimos detalhes eu to pesquisando sobre danças e musicas e Carmen Miranda

    OBRIGADO E ANTECIOSAMENTE ☺ ANÔNIMOMA FEMININO BJS ♥

    ResponderExcluir