sexta-feira, 23 de julho de 2010

1939- Balalaika (Balalaika)





"Balalaika " - 1939

(Balalaika)

Direção: Reinhold Schünzel
Dirigido por Reinhold Schunzel
Produzido por Lawrence Weingarten
Escrito por Leo Gordon, Charles Bennett, Jacques Deval

Estrelando Nelson Eddy, Ilona Massey

Música de George Posford, Bernard Grun, Herbert Stothart
Cinematografia Ernst Matray, Joseph Ruttenberg e Karl Freund
Edição por George Boemler
Distribuído por Metro-Goldwyn-Mayer-
Lançamento data 29 de dezembro de 1939
Tempo de duração: 102 minutos
País Estados Unidos
Idioma Inglês

Indicação ao Oscar de Melhor Gravação de Som: Douglas Shearer


Balalaika é um romance de 1939 de cinema musical americano baseado na peça teatral de Londres de 1936, musical de mesmo nome. Produzido por Lawrence Weingarten e dirigido por Reinhold Schunzel, foi estrelado por Nelson Eddy e Ilona Massey .

O filme acompanha o romance de Peter Karagin, capitão cossaco da Guarda do Czar , e Lydia Pavlovna Marakova, cantora e revolucionária secreta, os quais se apaixonam na véspera da I Guerra Mundial, são separados pela guerra e pela ideologia, e vão se reencontrar em 1920 em Paris.


Elenco:
Nelson Eddy - Príncipe Peter Karagin
Ilona Massey - Lydia Pavlovna Marakova
Charlie Ruggles - Pvt. Nicki Popoff
Frank Morgan - Ivan Danchenoff
Lionel Atwill - Prof. Marakov
C. Aubrey Smith - Gen. Karagin;
Joyce Compton - Masha;
Walter Woolf King - Capt. Sibirsky;
Phillip Terry - Lt. Smirnoff;
Abner Biberman - Leo;
Roland Varno - Lt. Nikitin;
George Tobias - Slaski;
Paul Sutton - Anton;
William Costello - Capt. Testoff;
Paul Irving - Principe Morodin;
Mildred Shay - Jeanette Sibirsky;
Alma Kruger - Sra. Danchenoff;
Zeffie Tilbury - Princesa Morodin;
Lee Phelps - Doorman;
Frederic Worlock - Dr. Ramensky;
Dalies Frantz - Dimitri Marakov


Balalaika tem a estrela Nelson Eddy como um elegante capitão cossaco que se passa por um pobre estudante, para conquistar o coração de uma cantora de boate (e bolchevista) Ilona Massey. Mas nem mesmo seu grande amor pode transcender o severo conflito entre as classes que se orientam para a Revolução Russa. Esse foi o grande papel de Ilona depois de emigrar da Hungria. Loira, voz rouca, agradavelmente enigmática está claro por que ela estava sendo frequentemente comparada a Marlene Dietrich e Greta Garbo. Produzido em 1939, o filme reflete o interesse hollywoodiano na Rússia não-czaristas, sendo inicialmente aliada à Alemanha Nazista.

O filme foi baseado na opereta de George Posford e Bernard Grun, com o libreto de Eric Maschwitz. O palco musical para Balalaika teve estreia no Adelphi Theatre em Londres em 22 de dezembro de 1936 após vários adiamentos. Nela estrelou Muriel Angelus, Roger Tréville, Clifford Mollison, e Betty Warren, e teve público para mais de 446 apresentações.

Não há mais rara flor que uma opereta britânica transplantada com sucesso em solo americano. Com exceção de Gilbert e Sullivan cujas obras são dos anos de 1880, muitas operetas cruzavam o Atlântico para vir marcar a América com suas músicas e enredo satírico-histórico-social. Em 1929, a opereta Bitter Sweet de Noël Coward foi a última a furar a fronteira, pois que os Estados Unidos começaram a sua criação original combinando opereta, revista, show de menestrel,
vaudeville, jazz que se tornaria o musical americano.

O britânico ainda se agarrava às suas amadas operetas, e em 1930 viu no West End o sucesso feito por Ivor Novello e Walter Leigh que teria esvaziado um teatro da Broadway. Em shows com noite glamourosa, histórias de príncipes adicionadas a plebeus nos míticos reinos europeus cercados por ciganos, crianças, amor secreto, coros enormes, e os efeitos especiais e exóticos (como o naufrágio de um transatlântico no palco do Drury Lane, todas as noites).

Um exemplo bastante conservador disso foi Balalaika, um sucesso de 1936 em Londres, que foi direto para Hollywood sem parar em Nova York. A opereta foi despojada de tudo, e da sua canção-título para fazer um veículo de Eddy e Ilona Massey.

Nessa mesma turnê 1937, Louis B. Mayer assinou contratos com atrizes como Greer Garson e Hedy Lamarr e diretores Victor Saville (que produziu Bitter Sweet , O Soldado de Chocolate , e Smilin' Through), Julien Duvivier ( A Grande Valsa ), e Reinhold Schunzel ( Balalaika ), entre os outros.

A húngara Ilona Hajmassy tinha começado seu primeiro filme na tradição de musical nos bastidores. Uma cantora, Maria Nemeth, ficou doente e Ilona a substituíu. Seu desempenho levou-a à atenção do chefe da Statsoper de Viena. Em Hollywood, seu nome, que significa "alho", foi encurtado para "Massey", e ela foi apresentada em "Rosalie".

Muitos passaram a profetizar uma carreira brilhante para Massey, pela sua voz sensual e olhar muito bonito. Era um olhar encantador, embora o estúdio fizesse melhor ter enfatizado a sua sensualidade, como uma segunda Dietrich ou Greta Garbo. Em uma aparente tentativa de ressaltar sua beleza loira, a fotografia ficou superiluminada nos seus close-ups na maioria das emoções, aparecendo assim mais as imperfeições do seu rosto.




Balalaika refletia o novo interesse de Hollywood na Rússia czarista, já um potencial aliado contra a ameaça crescente da Alemanha nazista. Filmes como Tovarich (1937), Ninotchka (1939), que contemplam tanto a reunião de czaristas expatriados como os membros do partido em Paris e ainda o filme Camarada X ( 1940 ) mostraram a nossa atitude um tanto alienada da vida pré e pós-revolucionária daquele país distante. Czarista e comunista foram louvados, ridicularizados e,
finalmente, fez a mistura em um final hollywoodiano arrumado.

Balalaika , como um musical, se abstém de comentar sobre a luta entre a nobreza e os revolucionários, apesar de ser o centro da ação. E, embora a ironia ou a nostalgia de exilado que pertenceu à realeza precise trabalhar como garçons e alfaiates é belamente tratado, o conflito do drama nunca é colocado em evidência ou deixado a perceber. Apesar disso, no filme Balalaika, nós nos enchemos de emoção quando a heroína volta para os braços do herói.




Isso não quer dizer que Balalaika seja maçante, pelo contrário. É ricamente montada, bem fotografada, e cheio de propostas e momentos ora engraçados e ora de extrema ternura. Nelson Eddy está em bom estado com uma voz especial e oferece alguns números espantosos, que o espectador aplaude com emoção.



Entretanto, a ação salta de São Petersburgo das trincheiras de guerra para Paris do pós-guerra sem sentido de orientação dramática. Nenhuma peça musical une os amantes separados entre si ou os ajuda a encontrar um ao outro.

A peça de palco de Balalaika faz os dois protagonistas e também os pais e seus filhos vítimas inocentes das paixões da época. Este confronto dramático entre os dois opostos da velha e da nova ordem , está ausente no filme. Quando seu pai joga uma bomba no Czar, Peter salva sua vida. No filme, devemos supor que o pai da heroína seja executado, mas no jogo ele se torna o embaixador russo para a França após a guerra, e sua filha está muito bem fora. Já no filme ele está em Paris como garçom.

O filme começa a história em 1914 em uma aldeia perto de São Petersburgo. A cidade pacífica é perturbada pelos cossacos, que a galope entram pela cidade, fazendo acrobacias em seus cavalos em demosntração de poder e glória, enquanto as meninas bonitas ficam cheias de perspectivas pelos soldados e precisam ser arrastadas para dentro de casa, com os seus maridos e pais irados. O líder de uma centena de homens fardados é o Infante Peter Karagin (Nelson Eddy), que
com seu uniforme de líder cossaco e seus homens cantam no espírito da esplêndida "Ride, cossacos, Ride."



Seu destino é o Café Balalaika no coração da alegria de São Petersburgo, onde os Cossacos vão logo começar sua satisfação no vinho e mulheres. Apenas uma coisa está faltando, e que é fornecida por uma cantora nova, Lydia Pavlovna Marakova (Ilona Massey). Seu sombrio e obcecado irmão, Dimitri (Dalies Frantz), é um pianista na orquestra do café, e seu pai, o professor Marakov (Lionel Atwill), é o maestro. Dimitri sente-se repugnado por ter que tocar suas
músicas para eles e ainda pior saber que sua irmã é desejo dos embriagados frequentadores, mas o professor lembra que eles devem trabalham para comer e não existem outros trabalhos no país.



Nelson Eddy e Ilona Massey fazem um casal bonito em um cenário deslumbrante. Ilona retrata uma anarquista na Rússia pré-1 ª Guerra Mundial, que se apaixona por um príncipe russo, interpretando com força as cenas com Nelson Eddy. Seus duetos são agradáveis, e Nelson canta magnificamente em russo, alemão, francês e inglês. A fotografia em preto e branco capta o período e os figurinos bem arranjados, e as duas estrelas são tão impressionantemente similares na aparência, que eles poderiam facilmente ser irmãos. Nelson demonstra mais uma vez a sua vitalidade, o que foi uma perda para a ópera, mas uma sorte de tê-lo em filme e ouvir este magnífico barítono .





Várias fontes concordam que a MGM estava planejando fazer este filme, dois anos antes da produção ter realmente começado. As filmagens começaram em junho de 1939, apesar de Eddy e Massey passarem quatro semanas antes da filmagem com a pré-gravação de seus números musicais.

Foi oferecido o papel de Lydia a Miliza Korjus, mas ela o recusou no pressuposto que Eddy voltaria a ser parceiro de Jeanette MacDonald, aparentemente sem saber que ambos, tanto Eddy quanto MacDonald exigiam papéis solo para suas carreiras. Ela ficou arrasada ao saber que Ilona Massey tinha aceitado o papel, perdendo a oportunidade de trabalhar com "aquele pedaço lindo de barítono".




Como todos os filmes da época, Balalaika foi objeto de censura por parte do Código de Produção, começando por detalhar o que não poderia aparecer no filme: uma prostituta, a venda ou a discussão de pornografia, todo o diálogo de referência para um secretário como um "maricas", além da violência da multidão ... deve evitar detalhes da brutalidade, ofensas à cultura de outros países. Não obstante, o público teve a abundância de pistas para preencher os espaços em branco.

A maioria dos críticos concordaram que as estrelas e a produção foram excelentes, mesmo se o roteiro e enredo não foram tão bons.


As Músicas do Filme:

"At the Balalaika" -Música de George Posford Música adaptada por Herbert Stothart
Letra de Wright e Robert Forrest Chet (como George Forrest)
Cantada por Massey Illona e do Coral Arte Russa
também cantado por Walter Woolf Rei
também cantada por Nelson Eddy

"Tanya" -Letra e música de Bob Wright e Forrest Chet
Cantada por Ilona Massey

"Ride, Cossack, Ride" -Letra e Música por Bob Wright e Forrest Chet
Cantada por Eddy Nelson e do Coro cossaco russo

"Shadows on the Sand" -Letra e Música por Bob Wright e Forrest Chet

"Magic of Your Love" -Escrito por Gus Kahn

"Scheherezade" -Escrito por Nikolai Rimsky-Korsakov
Usado em uma ópera

"Carmen"Escrito por Georges Bizet
Trechos cantado por Nelson Eddy e Ilona Massey

"Russian National Anthem"("Hino nacional russo") -Compositor desconhecido
Cantado pelo público na casa de ópera

"Silent Night (Stille Nacht)"("Noite Feliz (Stille Nacht)" -Escrito por Joseph Mohr e Franz Gruber
Cantada em alemão por Nelson Eddy e por soldados austríacos.

"Ochi Tchornya" -Tradicional balada
Cantada por Eddy Nelson


Sinopse:

Em 1914 a Rússia czares tem o príncipe Peter Karagin como o capitão das Guardas Cossacas, que voltando para casa tem a expectativa, juntamente com seus guardas, da recompensa de uma noite de vinho, mulheres e música no Cafe Balalaika em St. Petersburg. O novo Balalaika apresenta a sua maior atração que é Lydia Pavlovna Marakova, que canta e dança no palco, enquanto seu irmão a acompanha ao piano e seu pai no violino. Eles fazem parte de um grupo de
músicos que às escondidas fazem um movimento para derrubar os cossacos e assumir o poder como bolchevistas, que pretendiam uma mudança radical de política para seu povo, defendendo uma revolução socialista.

O príncipe fica fascinado com a beleza e voz de Lydia e ordena que esta compareça à festa dos oficiais, o que ela inicialmente recusa deicidamente. Entretanto, como foi ameaçada de perder o emprego de toda a família, ela aceita e se vê às voltas com as investidas dos oficiais, até que arranja uma boa mewntira para se livrar deles. Karagin que tudo observa, fica depois sabendo dos detalhes de sua vida e vestido como um pobre estudante de música, chega até ela.



Karagin insinuando-se na família de Lydia e no círculo de amigos da música, sem saber que eles são revolucionários - ou que o seu próprio ordenado Nikki Poppov está cortejando a empregada Masha dos Marakov- canta uma ária com sua bonita voz que encantam a todos. Lydia, diante da aprovação da família àquele estudante, também se desarmou e confidenciou-lhe que seu sonho era cantar na Real Ópera.

Karagin secretamente inicia a carreira de Lydia na Ópera de São Petersburgo como um prelúdio para seduzi-la, mas se apaixona de vez. Ela reconhece suas intenções desonrosas, mas admite que o ama também.

Sua felicidade acaba quando o irmão de Lydia, Dimitri ao liderar uma monifestação nas ruas é morto pelos cossacos liderados por Peter, a quem Lydia assustada e surpresa reconhece no meio da cavalaria. Ela então se compromete a utilizar a sua estreia na ópera como uma oportunidade para assassinar Peter e seu pai, o general. Mas quando Peter confessa que ele está desistindo de sua carreira militar para se casar com ela, Lydia o faz prometer que nem ele e nem seu pai irão ver a seu primeiro desempenho no teatro, alegando seu constrangimento de ser uma iniciante.

Entretanto, o pai de Peter Karagin comparece ao camarote e recebe das mãos de Peter a notícia da eclosão da I Guerra Mundial. Assim ,o General Karagin, que veio de qualquer maneira, anuncia que a Alemanha declarou guerra à Rússia. Em uma disputa entre os rebeldes, o General Karagin acaba sendo baleado e ferido.

Dessa forma, Peter é informado finalmente das afiliações políticas de Lydia, quando a polícia vai prendê-la como cúmplice de seu pai. Mais tarde, Peter tem o conheciento que Lydia foi libertada da prisão.

Separado pelas revoluções bolcheviques, Peter está em 1920 em Paris ao serviço do seu ex-ordenado que é dono do cabaré "Balalaika", juntamente com a artista que é a ex-empregada dos Marakov. E é neste cabaré que os russos brancos agora pobres, vestidos de uniformes da corte e usando jóias, se reúnem para celebrar o Ano Novo da Ortodoxa Russa , assim como os hóspedes de Poppov.




Neste local, depois de tantos anos, Peter encontra Lydia , que surge atrás dele quando ele está diante de um espelho, com uma vela na mão, para fazer o tradicional desejo do Ano Novo que era de ver o seu "verdadeiro amor".




http://www.youtube.com/watch?v=ywkhZo9hspU



http://www.youtube.com/watch?v=H48pyFJ6ATo



http://www.youtube.com/watch?v=tQFHVzXAosM



                                                                                     
                                                                                   



Levic

Nenhum comentário:

Postar um comentário