quarta-feira, 21 de julho de 2010

1939- Broadway Serenade (Serenata da Broadway)






"Broadway Serenade" - (1939)
(Serenata da Broadway)


Diretor: Robert Z. Leonard
Produtor Robert Z. Leonard
Roteiro Charles Lederer
Diretor Musical: Stothart Herbert.
Danças: Felix Seymour
Final criado e dirigido por Busby Berkeley(não creditado)
Música Herbert Stothart , Edward Ward (não creditado)
Cinematografia Oliver T. Marsh
Edição Harold F. Kress, W. Donn Hayes (nãp creditado)
Estúdio Metro-Goldwyn-Mayer
Roteiro: Lew Lipton (original ), John Taintor Foote (original
Estrelas: Jeanette MacDonald, Lew Ayres e Ian Hunter
Gênero: Drama | Musical | Romance
Duração: 114 min
Lançamento:7 abril de 1939 (USA)
País Estados Unidos
Língua inglês


Elenco:
Jeanette MacDonald ... Mary Hale
Lew Ayres ... James Geoffrey 'Jimmy' Seymour
Ian Hunter ... Larry Bryant
Frank Morgan ...Cornelius Collier, Jr.
Wally Vernon ...Joey, the Jinx
Rita Johnson ...Judith 'Judy' Tyrrell
Virginia Grey ...Pearl
William Gargan ...Bill Foster
Katharine Alexander ...Harriet Ingalls
Al Shean ... Herman
Esther Dale ...Mrs. Olsen, the Landlady
Franklin Pangborn ...Gene, Collier's Composer
E. Alyn Warren ...Everett
Paul Hurst ... Reynolds, a Drunk
Frank Orth ... Mr. Fellows
Esther Howard ... Mrs. Fellows
Leon Belasco ... Squeaker, the Violinist
Kitty McHugh ... Kitty, Mary's Maid
Kenny Stevens ... Singer

Com uma seqüência de clássicos gloriosos incluindo "The Merry Widow", "Naughty Marietta", "Marie Rose", "Maytime" e "San Francisco", Jeanette MacDonald cresceu rapidamente como rainha do musical da MGM. Sua série de operetas com Nelson Eddy foi um desafio e destinado a grandes sucessos do estúdio.

Broadway Serenade foi planejada para servir como uma ponte entre os filmes de opereta de Jeanette MacDonald com os mais leves, menos caros e mais modernos, do ponto de vista de serem comercializáveis, vestidos de "swing" musicais que foram se tornando mais populares. Broadway Serenade lhe deu várias canções contemporâneas ao lado de algumas árias de ópera. O objetivo do filme era digno, mas o filme não teve tanto sucesso.

A trama articulada sobre o sucesso da carreira de uma cantora comparada com os problemas da carreira do marido, torna-se um tema banal, mesmo no final de 1930, quando os homens estavam mais sensíveis sobre a mudança de estatuto das mulheres. Os personagens apresentam apenas duas dimensões, as dificuldades de conciliar esposa versus cantora e o marido que não tem estrutura para ver a carreira da esposa decolar enquanto a dele se esbarrava na submissão de um pianista de bares baratos. O tema do grande amor do filme é "For Ev'ry Lonely Heart", de Tchaikovsky, que apresenta novos arranjos dentro da moda de 1939.

A relação entre a protagonista do filme e seu marido, Jimmy (Lew Ayres), é outra fonte de preocupação. Ayres deveria, obviamente, trazer um charme especial, mas o seu papel aparece para um homem imaturo, com toques de ciúmes paranóicos. Ele não tem o material que lhe permita levar a cabo um golpe de tal ação, mesmo admitindo que tal personagem pertence a um musical leve. A mulher tem inúmeros gestos de proteção que parecem mais maternais do que qualquer outra coisa.

Broadway Serenade também fez uma ligeira reverência à cultura do álcool que se refletiu em muitos filmes da década de 1930, em que os "mocinhos" gastam muito do seu tempo bêbado sem danos físicos ou morais aparentes.

Jeanette MacDonald filmou Broadway Serenade, enquanto seu parceiro habitual de tela Nelson Eddy estava ocupado fazendo Balalaika com Ilona Massey.

No momento da Serenata da Broadway estava sendo filmado, assim como Jeanette estava tomando uma ruptura de Nelson Eddy e Ayres estava num hiato da série Dr. Kildare, que estava no auge de sua popularidade. É bom lembrar que Lew Aires toca piano de verade no filme, pois antes de ser ator ele era pianista de Big Band.

Mas no que neste filme é provavelmente a cena mais conhecida é a seqüência clímax envolvendo Ayres no concerto com Busby Berkeley no número final.
Berkeley, que se saiu tão bem na Warner Brothers com Dick Powell e Ruby Keeler e depois na MGM com Mickey Rooney e Judy Garland, faz uma estréia medíocre na sua "None But the Lonely Heart" número de dança que é como o número que Jack Buchanan fez no "bandwagon". Só que era para ser satírica, e desta vez era para valer.




O filme é um deleite de várias canções ao lado de númeeros de dança bem articulados, o que não se entende não ter sido tão elogiado na época. Vale ressaltar que o figurino da protagonista  foi bem montado e como sempre em seus filmes prima pelo primor.

Enfim, o filme vale a pena de ser visto.



Sinopse:
Mary Hale (cantora) e Jimmy Seymour (pianista / compositor), formam um casal de show biz trabalhando na Big Apple em casas noturnas pequenas, esperando para conseguir ainda um grande sucesso. Uma noite, Larry Bryant (um produtor da Broadway), assistiu um dos números de Mary e ficou fascinado pela sua beleza e voz de ouro.

Larry Bryant pede, então, a Collier uma audição para ver se pode contratar Mary em suas produções musicais, acompanhada de Jimmy ao piano. Depois de ouvi-la, Collier quer que ela esteja em seu show, mas infelizmente não tem lugar para Jimmy. No início, Mary fica hesitante em aceitar mas Jimmy a incentiva e logo ela está na estrada sem ele. Imediatamente o talento de Mary é notado e seu papel só engrandeceu o show, enquanto a estrela original Harriet Ingalls é
empurrada para fora, o que a deixa furiosa, prometendo se vingar.



Depois de cinco semanas na estrada, retorna retorna a sua casa. Mary é agora uma grande estrela, enquanto que a carreira de Jimmy não deu em nada, e ele se sente ameaçado pelo sucesso de sua esposa. Aí, Jimmy enquanto espera por Mary se vestir, começa a ler uma revista da Broadway e vendo as imagens de Mary com Larry, ele se serve de uma bebida e outra, até que ele está bêbado. A partir daí, o casal se separa mas o amor os leva a um final feliz.


Músicas do Filme:

"For Ev'ry Lonely Heart"
(1939)
(chamada também de "Broadway Serenade" (1939))
Musica de Herbert Stothart e Edward Ward
Letra de Gus Kahn
Adaptado de "None But the Lonely Heart" (1880)
de Pyotr Ilyich Tchaikovsky

"Yip-I-Addy-I-Ay"
(1908)
Música de John H. Flynn
Letra Will D. Cobb

"What You Goin' to Do When the Rent Comes 'Round? (Rufus Rastus Johnson Brown)"
(1905)
Musica de Harry von Tilzer
Letras de Andrew Sterling

"Hearts Win, You Lose"
de Andrew Sterling

"Love's Old Sweet Song (Just a Song at Twilight)"
Musica de J.L. Molloy
Letra de G. Clifton Bingham

"Auld Lang Syne"
Scottish traditional music
Letra de Robert Burns
declamadas por Lew Ayres

"The Blue Danube Waltz, Opus 314"
(1867)
de Johann Strauss

"A-Tisket A-Tasket"
(1938)
der Ella Fitzgerald e Van Alexander

"(Here We Go 'Round) The Mulberry Bush"
Traditional
tocada ao piano por Lew Ayres e no violino por Leon Belasco e cantada por Jeanette MacDonald

"The Farmer in the Dell"
Traditional

"None But the Lonely Heart (Nur Wer die Sehnsucht Kennt)"
(1880)
de Pyotr Ilyich Tchaikovsky
Arranjo de Edward Ward e Herbert Stothart
Letras em inglês de Gus Kahn

"High Flyin'"
Musica de Herbert Stothart e Edward Ward
Letra de Bob Wright e Chet Forrest

"One Look at You"
(1939)
Musica de Herbert Stothart e Edward Ward
Letra de Bob Wright e Chet Forrest

"No Time To Argue"
(1939)
Musica Sigmund Romberg
Letra Gus Kahn

"Time Changes Everything"
(1939)
Musica Walter Donaldson
Letra Gus Kahn

"Un Bel Di"
(1904)
de "Madame Butterfly"
Musica Giacomo Puccini
Letra Luigi Illica and Giuseppe Giacosa

"Les Filles de Cadiz"
(1885)
Musica de Léo Delibes
Letra Alfred de Musset

"Italian Street Song"
(1910)
de "Naughty Marietta"
Musica de Victor Herbert
Letra Rida Johnson Young

"Quando M'En Vo (Musetta's Waltz)"
(1896)
de "La Boheme"
Música de Giacomo Puccini
Letra Luigi Illica and Giuseppe Giacosa

"Jingle Bells"
(1857)
Música de James Pierpont

"Musical Contract"
Musica Herbert Stothart e Edward Ward
Letra Gus Kahn

História:
A falta de imaginação na Broadway Serenade é evidente desde o início com o show-títulos, quando o filme começa no Naughty Club, em Greenwich Village, onde um novo ato de Hale e Seymour, que deveria ser divertido, é constantemente atrapalhado por um bêbado. Jimmy Seymour (Lew Ayres) está ao piano com bigodes falsos, enquanto Mary Hale (Jeanette) faz poses sedutoras em uma curta versão de um 'saloon' em San Francisco.

O Naughty Club atende a seus fregueses em mesas pequenas, onde eles podem beber, assistir ao show, e cantar canções antigas. Um freguês (Paul Hurst), já tendo tomado bastante bebida, torna-se inquieto e irritante, aborrecendo Jimmy que pede silêncio do seu piano. Mary faz pouco caso das interrupções, mas quando o bêbado lhe atira uma rolha de champanhe e bate na sua cara, Jimmy salta e bate no importuno freguês. A cena foi acompanhada com interesse por um distinto cavalheiro em uma mesa de trás, que é o Larry.

O gerente, Sr. Parks (Morgan Wallace), diz a Jimmy que três nocautes em uma semana são suficientes e o despede. Mary pode ficar, diz ele, mas ela escolhe acompanhar o marido e os dois são despedidos. Em seu camarim, Jimmy arremessa o chapéu do outro lado da sala para o cabide, um gesto que irá se repetir ao longo do filme. Mary dá um cigarro a Jimmy e consola-o. Afinal, ele é um gênio musical e tudo isso só vai fazer cópia para a imprensa, quando ele for famoso. Jimmy a abraça e lhe diz que está começando a gostar de tê-la como esposa.

Na pensão da Sra. Olsen (Esther Dale) há uma surpresa de Natal planejada para eles, onde vive Herman (Al Shean, o "professor" de San Francisco), e o resto da família. Uma festa pequena é colocada para fora e um presente, um jarro de água que joga "Auld Lang Syne", está sendo enrolado. Quando o casal chega, Jimmy encontra uma carta anunciando que ele ganhou uma bolsa para estudar um ano na Itália. Se ele e Mary puderem levantar apenas mil dólares, pode passar um ano glorioso juntos em uma lua de mel tardia.

Jimmy tem certeza que ele pode vender a sua nova música por mil dólares a quantia que eles precisam. O problema com as pessoas de hoje, diz ele, é que eles estão ocupados demais para aprender novas músicas. Como exemplo, ele toca "A-Tisket A-Tasket", em seguida, aproveitando a popularidade atual em uma gravação de Ella Fitzgerald. Ele também irá dar-lhes um velho: "For Ev'ry Lonely Heart" de Tchaikovsky. Ele saca sua versão e Mary canta e então saem correndo para vendê-la para o maior produtor de Nova Iorque que é Cornélio Collier.



Collier (Frank Morgan) está ocupado, sua secretária diz que tem um grupo de chorines fantasiadas. Sua empresa passa a atender outra menina de coro, Pearl (Virginia Grey), que está protestando contra o costume de esconder o que foi atribuído a ela. Agora, se ela tivesse mais um maiô como este: ela retira o vestido de babados e está vestida com um maiô.

Judith (Rita Johnson) entra na sala na tentativa de proteger o seu homem, e as duas começam a discutir. Judith aproveita o charuto de Collier e, como Pearl se curva para recuperar seu traje, Judith a queima nas pernas. Um grito de Pearl, e os comentários de Judith que agora ela vai ser conhecida como "Lady Scarface" dão um toque de humor ao filme.

O financiador do programa, Larry Bryant (Ian Hunter), interrompe a diversão, seguido por uma massa de pessoas querendo decisões técnicas. Larry é o mesmo homem distinto que testemunhara a saída de Mary no Naughty Club, e agora ele a avista com Jimmy, tentando marcar hora com a recepcionista. Ele convida Mary para uma audição da canção de Jimmy, mas na confusão do escritório de Collier é ela quem acaba de ser contratada no "Collier's Revue de 1939" e precisa partir para Atlantic City, cujo trem sai no dia seguinte. É óbvio que ambos, Collier e Larry Bryant, tiveram um interesse de propriedade em Mary. E a música de Jimmy nem passa ser percebida.

O canto de Mary no show se abre com um comboio pintado sobre um "viajante" que, em seguida, desliza fora do palco, revelando uma estância de esqui nos Alpes. Mary com um casaco de pele branco e botas, canta "High Flyin '", em seguida, dança descendo os degraus. O alojamento em lâminas vira palco para revelar-se a uma dança de Mary, vestindo calça e jaqueta de xadrez, para em seguida, quatro atendentes reprisarem a canção, enquanto clientes bêbados fazem um malabarismo com laranjas e garrafas. O bar é então levado para longe, e nós estamos na neve que vimos pela janela do bar. O tenor chega em esquis e canta "Um olhar para você", e Mary se junta a ele.

Na noite de abertura, Jimmy telefona para Mary e ela está no quarto de hotel de Larry Bryant onde está sendo entrevistada. A semente da desconfiança é plantada.

Larry declara seu amor a Mary na sacada ao luar com vista para o Atlântico e tenta conquiatá-la, mas ela confessa que é feliz no casamento. Pearl vê a cena através de uma janela e começa a fotografar quando Larry dá um fraterno abraço em Mary. Os jornais do dia seguinte confirmam as suspeitas de ciúme de Jimmy.

Em uma montagem, vemos Mary lentamente assumir o show da estrela, Harriet Ingalls, enquanto Jimmy anda sozinho pelas ruas, sentindo-se um fracasso. Trabalhando em um café alemão, ele lê na Variety que Revue Collier retorna essa semana a Nova York. Simultaneamente, ele está escolhendo seus acordes no piano, acompanhando Herman e um violinista. Um freguês entediado rudemente liga o rádio, e Jimmy ouve uma repórter de fofocas citando Larry e Mary em termos românticos. Jimmy defende a honra da esposa dando uma bofetada no freguês, e assim ele e Herman estão despedidos.

Jimmy encontra Mary para levá-la para casa onde "a turma" a está esperando com um banquete em sua honra, mas não há nada que ela possa fazer. Ela vai vê-los depois do show. Ela dá a Jimmy ingressos para a noite de abertura para todos eles e também um cheque de 1.000 dólares. Agora eles podem ir para a Itália.

Jimmy tenta contar a Mary sobre o que ele vem fazendo, mas ela não entende no meio da confusão de provas de figurinos e outros detalhes da estreia. Larry chega e Jimmy retorna às dúvidas, e ele acaba bebendo uma bebida forte que o deixa bem alto. No momento em que Mary sai do quarto, vestida com uma esplêndida coleção de jóias que lhe foi dada por Larry para a noite de abertura, Jimmy decididamente arma uma cena feia de ciúme, esbofeteando Larry.
Harriet Ingalls escolhe esse devido momento para cobrar por ter sido relegada e insinua que Larry a jogou para fora do show por causa de seu relacionamento com Mary. Pronto. Foi o ponto que faltava para Jimmy.

Aparece o show, com o número no palco, "Time Changes Everything", com oito pianos de cauda (sombra de piano e esplendor de multi-Berkeley em Gold Diggers de 1935). A música evolui para "Un Bel Di", de Madame Butterfly. Mary aparece no topo de uma ponte de quarenta pés arqueados em um quimono japonês, coberto com canutilhos. Ela normalmente desce as escadas íngremes da ponte (uma realização fantástica) e, ignorando alguns cisnes de gesso abaixo dela, canta a ária em uma bela interpretação. É uma pena que sua performance seja envolvida em armadilhas do Folies Bergère. Quando ela atinge o ponto alto, o palco é inundado em pétalas de flores.

De volta à casa de cômodos, a familia senta-se desajeitadamente à espera de Mary. Ela corre e descobre que Jimmy acabou de chegar em casa. Mary o encontra arrumando as malas e lhe faz um discurso emocionado de como o amor não desconfia do outro e implora para ele acreditar nela. Apesar disso, Jimmy não a perdoa e julga que ela mantém um caso com Larry. Ela, então, decide deixá-lo.

Outra montagem começa com um grande cartaz de Mary Hale com pingos de chuva (lágrimas).

É Natal, e Mary, Larry, Collier, e Judith estão fazendo compras. Collier propõe casamento a Judith, que aceita e faz comentários sobre a ironia: Mary iniciou um processo de divórcio, naquela manhã. Larry fica cheio de esperanças. Jimmy retorna ao buraco sombrio onde ele e Herman agora vivem e encontra a intimação do processo de divórcio.

Na cena seguinte, Mary na noite de encerramento do seu show, dois anos depois. Seu divórcio acabou de passar, e Larry lhe faz a proposta de casamento que ela aceita e anuncia para todo o elenco que ela está se aposentando do mundo do espectáculo.

Nesse mesmo tempo, Jimmy finalmente vende a música que ele escreveu e ele e Herman vão celebrar, cantando os "direitos escandinavos" e "direitos de transmissão televisiva", que farão os dois ficarem ricos.

Mary está fazendo as malas para partir para a Inglaterra. A decoração de seu apartamento é verdadeiramente surpreendente, com lantejoulas e colunas mouras, cavalos de carrossel, e guirlandas de seda em toda parte. Larry já está saindo quando ele vê Jimmy e Herman no corredor. Jimmy não sabe nada de noivado de Mary e, como está de excelente humor, se oferece para deixar Larry devolver o golpe desde sua última reunião, apenas para mostrar que não há ressentimentos. Larry não aceita, é claro neste momento. Mas depois quando ele percebe que Mary ainda ama Jimmy ele lhe devolve o soco no queixo, bem dado em desforra.

Jimmy diz a Mary que ele agora é um sucesso, e assim eles podem começar tudo de novo. Ele enterrou seu complexo de inferioridade "em um milhão de notas." Mary diz-lhe em lágrimas que ela vai se casar com outra pessoa. Collier conta que acaba de comprar uma música fabulosa, e só ela pode cantar em seu novo show. Claro que é a música de Jimmy, e, se Mary não assumir o show, Collier não vai poder usá-la. Por alguma lógica incongruente, isso coloca o sucesso de Jimmy sobre os ombros de Mary, e ela não pode deixar Jimmy falhar novamente.

Abrindo a noite do novo show, Mary está com o coração partido que Jimmy está longe de ser encontrado. O noivo dela, Larry chega até ela e lhe diz que ele a reconhece como uma mulher que ama com todo seu coração. E por isso ele não pode tê-la. Mary tenta provar que está feliz, segurando uma máscara sorridente semelhante as das meninas do coro, mas Larry não se deixa enganar. Mary é chamada ao palco, e Jimmy chega momentos depois.

As cortinas se abrem no primeiro número de Busby Berkeley, no filme da MGM. Um close-up se expande para revelar um pastor e ovelhas (empoleirado desconfortavelmente nas prateleiras rochosas) fora da janela de um compositor. O compositor retoma a melodia e, em um local, Mary aparece de peruca branca e um vestido grego, que funciona através de um conjunto de formas esmagadas de plástico preto. Os arcos da câmera e varreduras, escolhendo fileiras de músicos mascarados e cantores. Tudo está escuro, brilhante e ameaçador.

Logo depois, Mary está de pé em um vestido branco com gola de paetês sobre um pedestal e na distância, em um canto escuro da orquestra, ela vê Jimmy tocar piano. Ela pula, como se presa por um alfinete, e então termina a canção de forma triunfante.



video


http://www.tcm.com/mediaroom/index.jsp?cid=116704






                                                                                 

                                                                                 

Levic

Nenhum comentário:

Postar um comentário