segunda-feira, 7 de junho de 2010

1935- Top Hat (O Picolino)





"Top Hat"(1935)
(O Picolino)
Direção: Mark Sandrich
Roteiro: Dwight Taylor
Produção:Pandro S. Berman
Direção Musical:Max Steiner
Coreografia:Hermes Pan
Fotografia:David Abel
Música : Irving Berlin
USA -1935

ELENCO
Fred Astaire (Jerry Travers)
Ginger Rogers (Dale Tremont)
Edward Everett Horton (Horace Hardwick)
Helen Broderick (Madge Hardwick)
Erik Rhodes (Alberto Beddini)
Eric Blore (Bates)
Lucille Ball (Vendedora de flores)
Robert Adair(Funcionário do London Hotel)
Gino Corrado(Gerente do Venice Hotel)
Tom Ricketts(Garçom do Clube Thackeray)

INDICAÇÕES
Academia de Artes Cinematográficas de Hollywood, EUA
Oscar de Melhor Filme
Oscar de Melhor Direção de Arte
Oscar de Melhor Direção de Dança
Oscar de Melhor Canção Original (Cheek to Cheek)
Vencedor de Melhor Canção: Lullaby of Broadway - Gold Diggers of 1935
Música de Harry Warren e letras de Al Dubin


Baseado na peça “The Girl Who Dared”, de Sándor Faragó e Aladar Laszlo, “O Picolino” é um dos grandes musicais dos anos 30, possivelmente o melhor. Realizado pelo cineasta Mark Sandrich, sua trama gira em torno de dois estranhos que se encontram casualmente em um hotel de Londres, sentem-se apaixonados, mas que uma incorreta dedução a respeito da identidade de um deles os leva a uma série de desencontros que só vão ser esclarecidos no final do filme. Na realidade, essa identidade trocada nada mais é que a desculpa encontrada para os maravilhosos números de dança e a belíssima música de Irving Berlin. Sem dúvida, Os números de dança revelam todo o charme, a sofisticação e a qualidade dos seus intérpretes, além de mostrar a perfeita química existente entre os dois.

Fred Astaire era uma estrela consagrada na Broadway quando começou a trabalhar em Hollywood. Ele já havia delineado seu perfil artístico e concentrou-se em pontos básicos para ser mais admirado, como na postura, na musicalidade e na dança. Ele é a própria ligação mais romântica e na tela ele projeta uma imagem encantadora de elite que mais do que compensa a banalidade de sua pessoa física. Essas qualidades derivam de Fred ter desenvolvido as formas mais requintadas. Ele é o mais equilibrado, mais educado, o mais confiante dos homens, com seus traços finos, combinado com sua aparência cotidiana, torna-o um homem de classe. E é como ele aparece em todos os filmes.



Ao lado disso, ele também desenvolveu uma capacidade excepcional de interpretar música. Ele encontra aquilo de importante que o compositor escreveu. Não é apenas uma questão de ler as notas ou de manter o ritmo certo. Ele encontra a essência da música, seu significado mais profundo, com uma voz agradável, de pequena extensão mas que com a qual ele canta esplendidamente. A cada palavra é dada um pleno valor, tanto musical quanto literalmente. A música é devidamente apreciada e totalmente comunicada. No "Top Hat", então, seu talento musical é belamente demonstrado na canção, "Cheek to Cheek", mesmo tendo sido escrito num registo elevado, Fred com o virtuosismo impressionante canta naturalmente, nunca deixando de transmitir o sentido pleno da canção.




Seu dom com a música se estende com a adequação perfeita para a dança. Como coreógrafo e bailarino, o seu trabalho é cem por cento original. Sua capacidade de encontrar a essência da música cria uma interpretação criativa que lhe transmite os passos de dança mais elaborados e semeado com os talentos de gênio nos dá a sensação de leveza e alegria altamente estéticos. Ao lado de sua inspiração é inegável a sua dedicação ao trabalho árduo de ensaios e mais ensaios, a fim de chegar ao ponto que nós vemos nos filmes.

No "Top Hat", quando Fred termina cantando as letras no "Cheek to Cheek", na cena que ele e Ginger seguem para uma área aberta, onde elas dançam, é uma obra de arte bonita e fascinante. É uma seqüência muito romântica, executada com habilidade técnica impressionante. No final, a reação de Ginger mostra claramente como não era só uma dança, mas sua dança era um tipo de fazer amor que embelezava a alma. É notável o quanto eles foram capazes de se comunicar simbolicamente através do movimento.



O momento alto do filme é quando o casal de dançarinos cantam e dançam o "Cheek to Cheek".
Para este número de dança de Ginger Rogers, ela queria usar um vestido azul bastante elaborado, enfeitado com plumas de avestruz. Quando o diretor Mark Sandrich e Fred Astaire viram o vestido, eles sabiam que seria inviável para a dança. Sandrich sugeriu que Rogers vestisse uma bata branca que já usara na realização de "Night and Day", em "A Alegre Divorciada" (1934).

Rogers se negou a tal, mas finalmente retornando ao Sandrich este concordou em deixá-la usar o vestido azul. Como não havia tempo para ensaios, Ginger Rogers usou o vestido azul de penas, pela primeira vez, durante as filmagens e como Astaire e Sandrich temiam as penas começaram a surgir fora do vestido. Astaire falou mais tarde que era como "uma galinha que está sendo atacada por um coiote".


No final do filme, algumas penas podiam ser vistas à deriva ao largo da rua. Para consertar a brecha entre eles, Astaire presenteou a Rogers com um medalhão de ouro no feitio de uma pena. O episódio do derramamento de penas foi recriado com resultados hilariantes em uma cena do "Desfile de Páscoa" (1948) onde Fred Astaire dança com um cômico, um dançarino desajeitado desempenhado por Judy Garland.

Dos dez filmes que fizeram juntos, talvez este seja o que mais exibe os talentos de Fred e Ginger na suas formas mais completas. Porque, bem, realmente não há nada tão mágico como quando Astaire toma Rogers em seus braços e ela gira em torno de uma pista de dança, desafiando a gravidade e todas as leis do movimento. No entanto, deve notar-se que os outros filmes também têm números de dança extraordinários e, por vezes, o mérito ainda maior do que os de "Top Hat". É definitivamente vale a pena ver todos os dez filmes de Astaire e Rogers, de preferência em ordem cronológica.



Ginger tem a sua vez de cantar com "The Piccolino", uma canção projetada de acordo com o cenário do terreno Veneziano. É o número mais sem emoção do filme, onde Ginger parece não ter muita convicção no que faz. Entretanto, sua voz é bonita!



Além da dança (que é sublime e indescritível, é algo que cada pessoa tem de ver em ação para acreditar), o resultado do filme é considerado brilhante. Irving Berlin já escreveu algumas das canções mais belas que nunca, e aqui temos apenas uma pequena amostra, mas certamente várias representantes delas, como "Isn't This a Lovely Day", "Top Hat, White Tie, e Tails", e, é claro, "Cheek To Cheek", que é um clássico padrão.



"Top Hat" tem tudo para fazer um musical perfeito, com grandes estrelas de liderança como Astaire e Rogers, suporte bom de apolio de Edward Everett Horton, Helen Broderick, e Eric Blore, os números fabulosos, um enredo hilário de engano de identidade, e cenários deslumbrantes que transportam a fantasia de Hollywood para Veneza. Um verdadeiro clássico musical e um dos melhores da RKO.

Um emparelhamento de sorte com Ginger Rogers em "Flying Down to Rio" (1933) levou-os a uma série de sucessos ao longo da década de 1930. "Top Hat" foi o terceiro filme do casal feita em conjunto, e para isso a RKO Radio começou a ficar séria, trazendo o lendário Irving Berlin para compor as músicas espumantes.

Este filme foi precedido de um ano antes por "A Alegre Divorciada", e é uma prescrição da repetição dessa fórmula de sucesso: ricas personagens elegantes, estilo de vida fútil, o amor leve e números de dança suntuoso. Não é apenas o enredo de "Divorciada", que é repetida aqui, mas ao lado de Fred e Ginger, vários membros do elenco reaparecem. Edward Everett Horton era o advogado Egbert no filme anterior, e aqui ele é Horace o empresário, mas ainda é o amigo atrapalhado de Fred. Eric Blore foi o garçom, agora ele é o manobrista sarcástico, Erik Rhodes faz execuções de palhaços italianos em ambos os filmes - Tonetti em 'Divorciada, Beddini aqui.




Portanto, qualquer similaridade entre A Alegre Divorciada e Top Hat é mera coincidência, mas em muitos aspectos, uma melhoria. Ambos os filmes não são apenas os mais famosos e televisionados da dupla Astaire e Rogers, mas cada um apresenta-se como uma peça de teatro. A virada só aqui é que a Top Hat, que se apóia em "A Alegre Divorciada" é na verdade um roteiro original (por Dwight Taylor), escrito especialmente para o par principal. Diferentemente do cavalo e passeio de buggy nas ruas de Londres, o ponto focal permanece na maior parte nas suites do hotel, lobbies, salas de jantar e um passeio breve na gôndola. Top Hat dá a impressão de ser o mais ricamente musical já lançado pela RKO, visto até mesmo nos trajes de Ginger Rogers onde aparece com vestidos brilhantes e ricos na aparência, até ao seu traje de dormir.



"Top Hat" é um musical clássico de dança de 1930. O filme exala positivamente com a classe, e com a parceria vencedora de Fred Astaire e Ginger Rogers é impossível de se ignorar. As duas estrelas já se apresentaram juntos por três vezes anteriormente {Flying Down to Rio (1933), A Alegre Divorciada (1934), Roberta (1935)} e mais tarde iriam fazê-lo em um total de nove ou dez ocasiões. Mark Sandrich, que iria dirigir cinco partidas da equipe de dança, apresenta ao público um mundo brilhante de riqueza, de classe e elegância, ajudada pela química potente dos dois nas pistas e uma seleção de números musicais memoráveis ​​escritos por Irving Berlin. O diretor do filme mostrou um mundo de dinheiro e elegância. Ele fez tudo parecer rico. Além disso as sequências de dança se encaixam na história perfeitamente, descrevem a trama e lhes dá um segundo plano.


O enredo de "Top Hat" é relativamente simples, uma comédia leve, com uma coleção de equívocos e confusão de identidades, mas é muito divertido. Naturalmente, a história é divertida de assistir, mas os ativos principais do filme são os seus números de dança, e aí ninguem se concentra numa história realista.


Ao contrário de muitos outros musicais, as seqüências de "Top Hat" têm uma certa intimidade com os dançarinos. Não há edição rápida ou incomuns ângulos de filmagem, mas a câmera é resolvida em uma distância suficiente para ver plenamente os artistas, e então ele só se senta para trás e permite que as duas estrelas que fazem o que fazem tão bem. Além disso, como cada uma das canções está quase perfeitamente integrada ao conjunto {com exceção de "O Piccolino", que parecia um pouco fora de lugar}, os interlúdios musicais completam o enredo, e vice-versa. Escolher uma música preferida seria quase impossível. A cena de "Cheek to Cheek", tornou-se muito famosa por ter aparecido no filme de Woody Allen "A Rosa Púrpura do Cairo ( 1985) e Frank Darabont é "The Green Mile (1999)".

Uma cena particular do meu gosto é o número da canção "Isn't This a Lovely Day", pois acho de um encanto total. Em um coreto, Jerry tenta cortejar Dale. Depois de cantar a música, ele faz alguns passos e ela, mãos nos bolsos de sua bermuda de equitação, surpreende-a de emoção. Um pequeno desafio da dança começa ... e então nós estamos fora em um daqueles grandes bailes de cortejo que só Astaire poderia criar. Eles se movem de um começo fácil e entram em um reconhecimento mútuo e feliz de que algo grave pode estar acontecendo. Então a chuva e o trovão...

Vale a pena a recomendação de rever o filme e avaliar o trabalho de Edward Everett Horton. Sua atenção será bem recompensadas com profundas risadas e uma afeição duradoura para esse bobo da Nova Inglaterra, e onde também mostra Fred e Ginger em seu melhor. A química nunca foi melhor. O diálogo, números musicais, danças, figurinos e cenários são todos os tops. Este filme é como uma comédia fabulosa com música e dança, com duas das estrelas mais brilhantes da história de Hollywood no auge da forma. Top Hat é Tops!




SINOPSE:

Top Hat( O Picolino) é uma comédia musical de 1935 na qual Fred Astaire interpreta um dançarino chamado Jerry Travers, que vai para Londres para estrelar em um show produzido por Horace Hardwick (Edward Everett Horton).


No hotel no qual está hospedado, Jerry, ao dançar pela sala de seu quarto, acaba acordando a bela Dale Tremont (Ginger Rogers) que dormia no quarto logo abaixo. Ao ver Dale pela primeira vez, embora estivesse furiosa, Jerry instantaneamente se apaixona por ela e diariamente lhe envia flores em um esforço inútil de desfazer o mal entendido.


Mais tarde, Jerry se disfaça de cocheiro de charrete e leva Dale para sua aula de equitação e acaba por ficar preso com ela em um coreto durante uma tempestade. É nesse ponto em que Dale finalmente começa a se deixar seduzir pelo charme de Jerry, porém erroneamente deduz que ele, cujo nome ela nunca soube, seja Horace, o marido de sua amiga, Madge Hardwick (Helen Broderick).



Ao compreender a situação, Dale deseja partir de volta para os Estados Unidos mas é convencida por Alberto Bedini (Erik Rhodes), seu fã e estilista italiano, a aceitar um convite de Madge para se juntar à ela na Itália.



Antes de deixar o hotel londrino, Dale encontra mais uma vez com Jerry, que para ela ainda era Horace, e lhe dá um tremendo tapa no rosto sem nenhuma explicação. Preocupada com que o episódio do tapa se torne um escândalo, a direção do hotel resolve repreender um confuso Horace, que por sua vez coloca a culpa em Bates (Eric Blore), seu estranho criado. Após ordenar que Bates seguisse Dale, Horace recebe um telegrama de Madge dizendo que a senhorita Tremont está indo se encontrar com ela em Lido, Veneza.




Radiante, Jerry se apressa em terminar suas apresentações em Londres e voa para Veneza acompanhado por Horace, que ainda nem deconfia que a bela Dale Tremont contou à Madge, em seu quarto de hotel, que seu marido havia feito insinuações maliciosas a ela. Na Itália, Jerry continua a ser confundido com Dale enquanto Horace é igualmente confundido pelas ameaças físicas de Alberto.



Canções do Filme:
"No Strings (I'm Fancy Free)"
Letra e Música de Irving Berlin
Canto e Dança realizada por Fred Astaire

"Isn't This a Lovely Day (to Be Caught in the Rain)?"
Letra e Música por Irving Berlin
Canto realizado por Fred Astaire
Dança realizada por Fred Astaire , Ginger Rogers

"Top Hat, White Tie and Tails"
Letra e Música por Irving Berlin
Canto realizado por Fred Astaire
Dança realizada por Fred Astaire , mens coro

"Cheek to Cheek"
Letra e Música por Irving Berlin
Canto realizado por Fred Astaire
Dança realizada por Fred Astaire , Ginger Rogers

"The Piccolino"
Letra e Música por Irving Berlin
Música executada por Ginger Rogers , coro
Dança realizada por Fred Astaire , Ginger Rogers , coro

"The Piccolino"
reprise Instrumental
Dança realizada por Fred Astaire , Ginger Rogers

Depois de Fred Astaire conheceu Irving Berlin durante as filmagens de O Picolino (1935) tornaram-se amigos ao longo da vida.







http://www.youtube.com/watch?feature=player_embedded&v=vbMpecOKoDY



http://www.youtube.com/watch?feature=player_embedded&v=DyfqW6td-yA


Clique nos links:

http://youtu.be/BelKVNu5mcM

http://youtu.be/XO3mHtJh2CE



http://youtu.be/KTsQ6ZesrOM



http://youtu.be/mOZHVBbX3ro



http://youtu.be/Shw-vo0OTwM





Ainda há muita música para ouvir.
                                                                 

Levic

Nenhum comentário:

Postar um comentário